Ilustração de um caminhão ao lado de um carrinho de supermercado, ao lado está escrito "6 soluções de entregas para mercados".

6 soluções de entregas para mercados

Os mercados entraram de vez na era das vendas online, por isso, veremos quais são e como funcionam as principais soluções de entregas para mercados no Brasil.

Tão importante quanto a venda, a entrega é um grande desafio no dia a dia de donos e gerentes de mercados em todo o Brasil.

Com o início da pandemia do novo coronavírus e das medidas de isolamento social, o número das vendas online em mercados disparou.

Já no final de março, um estudo realizado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) e consultoria da Compre & Confie, mostrava que as vendas online de mercado haviam crescido 80% em fevereiro e março, comparando com o mesmo período de 2020.

Uma das soluções das quais falaremos aqui, o Supermercado Now, chegou a registrar aumento de 600% no volume de vendas na plataforma, como informado pelo portal Meio e Mensagem.

Com isso, um dos principais desafios de quem trabalha no setor é encontrar soluções que facilitem o dia a dia dos mercados.

Afinal, este foi um dos poucos setores que não precisou fechar as portas durante a pandemia, ainda assim, nos últimos meses, houve uma mudança acelerada nos hábitos de compras dos brasileiros, a tendência é que cada vez mais eles optem por pedir no conforto das suas casas.

iFood

Nos últimos meses, o iFood passou a investir pesado nas vendas e entregas de mercados.

Desde junho de 2019, através de uma parceria com o SiteMercado, o iFood já realizava entregas para o setor. Porém, de uma forma ainda muito tímida.

Mas, com o visível aumento na procura por produtos de mercado nos últimos meses, a empresa passou a apostar ainda mais no setor, tanto que adquiriu em setembro deste ano o seu então parceiro SiteMercado.

Hoje, o iFood cadastra mercados em todos os municípios em que opera, oferecendo os mesmos dois planos que possui para restaurantes: básico e entregas.

No Plano Básico, o iFood não realiza as entregas, apenas disponibiliza seu marketplace para as transações.

Já no Plano Entregas, o serviço é realizado pelos entregadores nuvem da plataforma.

Os funcionários do mercado devem coletar, empacotar e entregar os produtos para os entregadores do iFood, que levarão o pedido aos clientes.

O aplicativo cobra uma comissão de 17% sob o valor dos pedidos e uma mensalidade de R$ 500 caso o estabelecimento fature mais do que R$ 5.000 mensais.

O repasse das compras realizadas através do cartão no app é feito em até 4 semanas, sempre às quartas-feiras.

Rappi

O Rappi foi um dos primeiros aplicativos a oferecer entregas de supermercado online no Brasil.

Para os mercados que desejam entregar pelo app, o cadastro é feito através do site.

Eles cobram uma comissão de 25% sobre o valor dos produtos comercializados e, em alguns itens, uma taxa a mais pelo Imposto sobre Valor Agregado (IVA).

Segundo a empresa, a área das entregas varia de 2 km a 5 km do mercado e o valor da entrega é pago pelo cliente final.

Supermercado Now

O Supermercado Now é um dos pioneiros nas vendas online de produtos de mercado no Brasil.

Em janeiro de 2020, eles foram adquiridos pela B2W, empresa de comércio eletrônico famosa por ser dona das Lojas Americanas, Submarino e Shoptime.

O Now possui parcerias com dezenas de mercados pelo Brasil e funciona da seguinte forma:

  1. O cliente entra no aplicativo ou plataforma do Supermercado Now;
  2. Escolhe o mercado e faz a lista de compras;
  3. Os entregadores cadastrados no Now, conhecidos como shoppers, realizam as compras e as entregam para o cliente.

A empresa não oferece em seu site muitas informações sobre como funciona a parceria com os mercados.

No entanto, disponibiliza o e-mail “[email protected]” para os estabelecimentos que desejam se cadastrar na plataforma.

Cornershop

A Cornershop é a plataforma da Uber para vendas de produtos de mercado.

Atualmente, ela está disponível em algumas regiões de São Paulo, Alphaville, Barueri, Osasco, Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília.

Os clientes conseguem realizar as compras através do site da empresa ou pelo próprio app da Uber, nas versões mais atualizadas.

Então, o mercado é notificado da venda e aguarda a chegada de um dos entregadores do aplicativo, que escolhe os produtos e realiza as entregas.

O repasse do dinheiro é feito semanalmente ao mercado, às quartas-feiras.

É cobrada uma taxa de 15% + IVA de cada pedido.

Os requisitos para cadastrar um mercado na plataforma são:

  • Loja física própria;
  • Catálogo atualizado com fotos e preços, para que seja mantido a meta de 85% de produtos encontrados;
  • Mesmo preço praticado na loja física;
  • Conta bancária em nome da empresa ou de seu representante legal.

O cadastro do estabelecimento é feito no site cornershopapp.com/pt-br/stores, após a inscrição, o aplicativo analisa as informações, e quando aprovado, envia um link de cadastro para que o responsável configure as lojas, as filiais, os produtos, personalize a página com a marca e tenha acesso às ferramentas de gestão da Cornershop.

As entregas são realizadas em um raio de até 6 km do estabelecimento.

James

O James é o aplicativo de delivery do Grupo Pão de Açúcar.

Na verdade, ele se apresenta como o primeiro aplicativo de delivery de tudo do Brasil.

Ele começou a atuar em Curitiba, mas, atualmente, está nas seguintes cidades e regiões:

  • Aracaju
  • Fortaleza
  • João Pessoa
  • Palmas
  • Recife
  • Salvador
  • Teresina
  • Brasília
  • Campo Grande
  • Cuiabá
  • ABC
  • Alphaville
  • Belo Horizonte
  • Curitiba
  • Niterói
  • Ribeirão Preto
  • Rio de Janeiro
  • Santos
  • São José dos Campos
  • São Paulo
  • Sorocaba
  • Uberlândia

O cadastro dos mercados é feito no site jamesdelivery.com.br/parceiros. Por lá, a empresa não divulga muitas informações sobre taxas e mensalidade.

No entanto, no FAQ, o James diz que a comissão é calculada sobre o valor dos pedidos e a taxa de manutenção do app é negociada direto com o estabelecimento.

Machine

A Machine também é uma solução para entregas de mercado.

Afinal, com a nossa plataforma, os estabelecimentos conseguem ter o seu próprio sistema de entregas, cadastrar seus próprios entregadores e acompanhar em tempo real o deslocamento dos produtos.

Ao contrário das soluções que falamos aqui, não possuímos um marketplace, por isso, a transação deve ser realizada dentro de uma outra plataforma, que pode ser o próprio site do mercado ou o iFood, que conta com integração com o nosso sistema.

Para contratar a Machine, os mercados pagam uma taxa de adesão pelo desenvolvimento do sistema e as mensalidades, que variam de acordo com a quantidade de entregas solicitadas na plataforma.