Início » 10 principais regulamentações de apps transporte no Brasil

10 principais regulamentações de apps transporte no Brasil

Ilustrações de um papel, há um desenho de um martelo nele, ao lado está escrito "As 10 principais regulamentações do Brasil".

A Lei 13.640 permitiu que os municípios realizassem suas próprias regulamentações, por isso, separamos o que as principais cidades do Brasil decidiram.

Os aplicativos de transporte no Brasil foram regulamentados em meados de 2018 por um projeto de lei da câmara dos deputados, a famosa PLC 28.

É fato que a lei criou diretrizes nacionais para o uso do transporte por aplicativo, como obrigatoriedade de Carteira B ou superior, características do veículo, certificado de registro e licenciamento do veículo, além dos antecedentes criminais de motoristas. 

Porém, o principal ponto da lei foi a liberação para que os municípios e o Distrito Federal definam suas próprias regulamentações de acordo com as peculiaridades locais.

O que não pode acontecer, como o Supremo Tribunal Federal decidiu tempos depois, é a proibição ou limitação do serviço.

Hoje, pegamos as dez principais cidades do país para te mostrar qual é e como funciona a regulamentação de cada uma delas.

São Paulo

Em São Paulo, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pela Resolução 21 do Comitê Municipal de Uso do Viário (CMUV).

As exigências são:

  • Apenas carros com placas da cidade de São Paulo podem realizar corridas no município;
  • Todos os veículos precisam usar, obrigatoriamente, adesivo de identificação da Uber;
  • Motoristas precisam obter o Cadastro Municipal de Condutores – CONDUAPP;
  • Motoristas precisam obter o Certificado de Segurança dos Veículos de Aplicativo – CSVAPP;
  • Os veículos precisam possuir, no máximo, oito anos de fabricação e precisam estar em dia com a vistoria veicular.

Até o momento de publicação deste blog post, a Uber mantém uma liminar que permite que carros com emplacamento de outras cidades atuem na cidade de São Paulo.

Rio de Janeiro

Já no Rio de Janeiro, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pelo Decreto 46.417, de 29 de agosto de 2019.

Ele regulamenta a profissão exercida por motoristas das Provedoras de Rede de Compartilhamento (Prover). O Decreto diz que:

  • Não é permitido aglomerar veículos em filas de espera ou formação de pontos;
  • Os motoristas não podem embarcar passageiros em locais destinados aos táxis;
  • É obrigatório o transporte de cão guia, cadeiras de rodas, carrinhos de bebê ou qualquer outro acessório de locomoção;
  • O motorista não pode parar para abastecer com o passageiro dentro do veículo;
  • Só veículos com quatro portas e ar-condicionado podem oferecer o serviço de transporte;
  • O motorista precisa passar por curso de formação de 40h reconhecido pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), além de apresentar à mesma o certificado de antecedentes criminais;
  • É proibido o acesso pelos corredores reservados à circulação de transporte público.

Brasília

Em Brasília, a regulamentação dos apps de transporte como Uber e 99 é definida pela Lei 5691. As exigências são:

  • Os veículos à gasolina, álcool ou qualquer combustível fóssil devem ter idade máxima de cinco anos. Já para os elétricos, híbridos ou adaptados, o limite máximo é de oito anos;
  • O carro precisa ser licenciado no Distrito Federal, além de possuir, pelo menos, quatro portas, ar-condicionado, banco de couro e capacidade máxima para sete pessoas;
  • O carro precisa, ainda, possuir seguro de acidentes pessoais com cobertura mínima de R$50 mil por passageiro;
  • Os motoristas não podem utilizar vagas ou pontos destinados ao táxi.

Salvador

O serviços de aplicativos de transporte é regulamentado em Salvador pela Lei 9488/2019. Ela exige:

  • A necessidade do Certificado Anual de Autorização (CAA);
  • Que o carro possua adesivo ou logotipo que possa identificá-lo como prestador de serviços da empresa de transporte;
  • Que a empresa apresente comprovante de inscrição no Cadastro de Contribuintes Municipal, além de estar regularizada com a Seguridade Social;
  • Que os veículos tenham, no máximo, oito anos, além de seguro de acidentes pessoais com cobertura mínima de R$50 mil por passageiro, quatro portas, ar-condicionado e capacidade máxima para sete pessoas;
  • Que o motorista apresente Certificado de Segurança Veicular;
  • Que os veículos passem por vistoria técnica.

Fortaleza

Em Fortaleza, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pela Lei 10751, de 8 de junho de 2018. As exigências são:

  • Credenciamento na Plataforma Digital de Transporte;
  • Pagamento do “Preço Público” equivalente a 2% do valor total de cada corrida;
  • Contratação de Seguro de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT);
  • Conclusão de curso exigido pelo CONTRAN;
  • O veículo precisa ter idade máxima de oito anos e ter adesivo de identificação do aplicativo.

Belo Horizonte

Em Belo Horizonte, a regulamentação foi oficializada pela Lei 11.185, de 13 de agosto de 2019. Ela diz que:

  • Viagens coletivas (como o Uber Juntos e 99 Compartilha) não são permitidas;
  • As corridas só podem ser feitas via app. Os motoristas não podem se concentrar em casas de show, aeroportos, terminais rodoviários, shoppings ou supermercados;
  • É obrigatório obter APP e DPVAT;
  • A capacidade máxima dos carros é de quatro passageiros;
  • Os motoristas precisam apresentar credencial de Motorista de Transporte Individual Privado, emitido pelo BHTrans, além de aprovação em cursos de prestação de serviço de transporte de passageiros.

Manaus

Em Manaus, a Lei municipal 2486/2019 regulamenta a atividade. As exigências estabelecidas são:

  • O motorista precisa possuir CNH na categoria B ou superior, com informação de que exerce atividade remunerada;
  • Ser contribuinte do INSS ou MEI;
  • Os veículos precisam ter, no máximo, dez anos de fabricação. Contudo, precisam ter, no máximo, oito anos a partir do ingresso no CRLV;
  • A capacidade máxima do carro precisa ser de sete passageiros;
  • Os carros inclusivos precisam dispor de identificação de veículo acessível, além de oferecer sinal sonoro, visual e tátil indicando origem e destino da viagem.

Curitiba

Na cidade de Curitiba, o responsável pela regulamentação da atividade é o Decreto 1302, de 18 de julho de 2017. Ele aborda os seguintes pontos:

  • É obrigatório o pagamento do “preço público”. Este é variável e depende da distância percorrida em cada corrida;
  • O carro precisa ter alguma identificação da empresa a qual o motorista é parceiro;
  • O carro precisa ter, no máximo, sete anos de fabricação. No caso de veículos elétricos, híbridos ou adaptados, o prazo é de oito anos;
  • A capacidade máxima do carro deve ser de sete passageiros;
  • Os motoristas não podem estacionar em pontos destinados a taxistas.

Recife

Já na cidade de Recife, é a Lei 18.528/2018 que regula a atividade de aplicativos de transporte. Confira as obrigatoriedades:

  • As empresas que decidirem atuar na cidade precisam, obrigatoriamente, ser credenciadas no município, junto a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano de Recife (CTTU);
  • A empresa precisa, ainda, pagar uma taxa à cidade. O percentual é cobrado por cada viagem realizada. De 1 a 10 mil veículos cadastrados, é tarifado 1% do valor, de 10.001 a 20 mil veículos, 1,5%. De 20 mil veículos em diante, o valor é de 2%;
  • Os motoristas precisam andar com comprovante de residência com data de emissão inferior a 60 dias, além de possuírem CNH na categoria B ou superior, informando o exercício de atividade remunerada;
  • É responsabilidade dos motoristas também realizar e apresentar certificado de aprovação em curso de condutores, além de relatório regular de pontuação emitido pelo DETRAN;
  • O veículo deve possuir, no máximo, nove anos de fabricação e ter capacidade para sete pessoas;
  • Os carros precisam apresentar emplacamento de qualquer município de Pernambuco.

Goiânia

Desde 2017, o Decreto 2.890/2017 está em vigor na cidade. Ele garante a regulamentação da atividade na cidade, com as seguintes exigências:

  • As empresas precisam pagar o “preço público”, que equivale a 1% da receita bruta das corridas;
  • O motorista precisa se cadastrar no Cadastro Municipal de Condutores (caso ele trabalhe para mais de uma empresa, basta ter apenas um cadastro);
  • O motorista precisa ter CNH categoria B ou superior, além da informação de que exerce atividade remunerada;
  • O motorista precisa se cadastrar no Cadastro de Atividade Econômica, além de ter certidão negativa de antecedentes criminais;
  • Todos os carros precisam ter identificação da empresa a qual prestam serviços;
  • A idade máxima permitida para os carros é de oito anos;
  • Os veículos precisam possuir CRLV, APP e DPVAT.