Início » Principais problemas de não contar com uma boa solução de mapas

Principais problemas de não contar com uma boa solução de mapas

foto de um celular com mapa

Conversamos com o pessoal da Maplink para entender quais problemas você pode ter se não escolher bem sua solução de mapas.

É muito importante escolher uma empresa especialista com grande experiência em geolocalização e desempenho nas APIs de mapas.

Quando você não toma a melhor decisão na hora de fechar sua plataforma de roteirização, os resultados podem gerar ineficiência operacional, que pode se desdobrar também em perda de competitividade no desempenho e prazo das entregas.

É o que falam os nossos parceiros da Maplink.

Para te mostrar os riscos que uma escolha errada na solução de mapas pode gerar para o seu app de transporte, conversamos com Frederico Hohagen, CEO da empresa.

Falta de precisão

Como sempre batemos na tecla, a tecnologia de mapas é um dos pilares do serviço de transporte por aplicativo.

Por isso, deve-se tomar muita atenção com o barato que pode sair caro.

Especificamente no mercado da mobilidade urbana, é indispensável contar com a tecnologia do Google Maps.

A gente já tentou ajudar clientes que trouxeram problemas de várias outras plataformas, mas para o problema da mobilidade urbana, que é a precisão de onde o passageiro está, ela é fundamental para o sucesso da sua empresa. Se o mapa mostrar que o passageiro está no meio de um quarteirão, mas ele estiver em outro, em cidades como São Paulo e Rio, isso pode resultar em até 20 minutos para o motorista chegar e você acaba arruinando a experiência do passageiro.

Fredereico Hohagen

Há soluções mais baratas, mas para o serviço de transporte de passageiros, não há ninguém que resolva o problema como o Google Maps.

Quebra dos termos de uso

Todo cliente que se cadastra no Google Maps precisa colocar um cartão de crédito ou as informações de um parceiro autorizado, como é o caso da Maplink.

Com isso, ele ganha um crédito mensal de US$ 200 para gastar como quiser dentro da solução de mapas.

Cada cliente tem direito a ter apenas uma chave no Google Maps e, consequentemente, ganhar os US$ 200 mensais acordados.

A Machine, por exemplo, não cadastra individualmente cada um dos nossos clientes, como uma forma de ganhar mais desconto. Isso acontece porque respeitamos os contratos e as formas de trabalho dos nossos parceiros e esse cadastro individual claramente viola a forma de contrato com o Google.

Se você for contratar o Google Maps diretamente, você não precisa criar várias chaves, é possível ter diversos projetos diferentes em um único local.

Evite dor de cabeça. Siga à risca os termos de uso e cobre que seus parceiros sigam também.

“Quando você é suspenso, religar a sua conta dá um baita trabalho. Não é uma coisa que você faz de uma hora para outra”, explica Frederico.

Consumo excessivo

Quando você tem um aplicativo de transporte, tudo que você usa no Google Maps, você paga.

Até uma simples pesquisa do passageiro dentro do seu app vai para sua conta.

Na Machine, isso também acontece, porém os custos já estão inclusos nas mensalidades dos clientes

A Maplink conta que certa vez atendeu um importante app de transporte.

Avaliando a forma com que eles utilizavam os mapas, perceberam que eles consumiam em excesso certas funcionalidades que encareciam demais a conta deles.

“Por exemplo, como eles queriam que o carro chegasse muito rápido até o passageiro, a empresa jogava as informações dos clientes para muitos taxistas ao mesmo tempo. E eles calculavam a distância não em linha reta, mas em rotas reais, para ver quem chegava mais rápido. Isso gera um custo elevadíssimo. Então a gente deu a ideia de fazer essa análise em progressão, primeiro para os 3 taxistas mais próximos e assim por diante”, explica o CEO da Maplink.

Frederico ainda explica que, em determinadas cidades, você não precisa ativar todas as funcionalidades. Como é o caso do Places em cidades pequenas.

Sabe quando você pesquisa por um estabelecimento em vez do endereço em si? Por exemplo, o Supermercado Dia fica na Rua Cristovão Colombo, 10.

Na hora de jogar no aplicativo, em vez de colocar “Rua Cristovão Colombo, 10”, o passageiro só coloca Supermercado Dia.

Pois bem, essa é uma funcionalidade do Google Maps que você precisa pagar.

“O Google Maps é fantástico. Ele possui muitas funcionalidades e você quer que seus usuários se apaixonem pelo seu produto e acaba tentado a usar muita coisa, mas no final isso pode elevar muito sua conta. Por isso, nós da Maplink temos esse trabalho de alinhar a expectativa com a realidade”.

Aqui na Machine, temos muita alegria de contar com a Maplink trabalhando em parceria para levar a melhor tecnologia de mapas para a nossa plataforma.

Se você quer saber mais sobre os mapas da Machine, confira o conteúdo que preparamos.


A Machine é a principal tecnologia para criação de aplicativos de transporte e entregas do Brasil. Juntos, os apps desenvolvidos com nossa tecnologia já tiveram mais de 130 milhões de solicitações.