Início » Por que os motoristas de app estão cancelando corridas?

Por que os motoristas de app estão cancelando corridas?

foto de um botão cancelar

Os principais motivos para os motoristas de app estarem cancelando tantas corridas são a alta do combustível, a baixa remuneração, mudanças nas grandes plataformas e a violência contra os profissionais.

O transporte por aplicativo ganhou fama no Brasil e no mundo por conseguir aliar qualidade, agilidade e preço baixo.

Porém, nos últimos meses, crescem as reclamações de passageiros a respeito da demora para achar um motorista disponível.

Nas redes sociais, basta uma pesquisa rápida para ver casos e mais casos de passageiros questionando a quantidade de cancelamentos e o tempo alto de espera para uma viagem.

A imprensa também correu para escrever diversas reportagens tentando explicar o porquê desses cancelamentos.

No texto de hoje, queremos separar os principais pontos que o passageiro precisa saber para entender o porquê dos motoristas estarem cancelando tantas corridas.

Aumento do preço do combustível

É impossível começar essa explicação sem falar dos sucessivos aumentos no preço do combustível.

Informações da Triad Pesquisas, empresa que faz o monitoramento diário do preço dos combustíveis pelo país, mostram que no dia 08 de novembro, a gasolina atingiu o preço médio de R$ 6,826, um aumento de aproximadamente 10% em relação a 25 de setembro, data da primeira análise disponível.

Evolução do preço da gasolina
Foto: Triad Pesquisas/Reprodução

No mesmo dia 08 de novembro, o etanol estava em média R$ 5,543, um aumento de 15,79% em comparação a 25 de setembro.

Evolução do preço do etanol
Foto: Triad Pesquisas/Reprodução

Já o GNV, que muitos motoristas recorrem para economizar, bateu o preço médio de R$ 4,324, um aumento de 5,8% em comparação a 25 de setembro.

Evolução do preço do gnv
Foto: Triad Pesquisas/Reprodução

Já que o combustível é o principal gasto de um motorista de aplicativo, o aumento do preço impactou diretamente o trabalho dos profissionais.

Imagine que em 25 de setembro, o motorista ganharia R$ 15 para fazer uma corrida de 15 km. Desse valor, ele gastaria só com combustível, aproximadamente R$ 5,20, embolsando R$ 9,80.

Pouco mais de 1 mês depois, para fazer a mesma corrida, o motorista ganharia os mesmos R$ 15, mas gastaria R$ 6,83 de gasolina, embolsando R$ 8,17.

Tarifas baixas e taxas altas

Os motoristas de aplicativo são responsáveis por todos os gastos no serviço, ou seja, seguro do carro, manutenção do veículo, impostos e combustível.

Porém, ao mesmo tempo em que se aumenta o preço do combustível, não há o mesmo reajuste nas tarifas pagas aos motoristas.

Ao mesmo tempo, as empresas continuam cobrando altas taxas de serviço, que são descontadas direto de cada corrida realizada pelo motorista.

Mudanças na plataforma

Nos últimos meses, a Uber passou por algumas mudanças em sua plataforma.

Uma das principais é a tarifa dinâmica que, em algumas cidades, deixou de ser percentual para se tornar um valor fixo.

Isso significa dizer que antes, quando a Uber acionava a dinâmica em uma determinada região, o valor era multiplicado e agora, ele é somado.

Com essa mudança, muitos motoristas preferem pegar corridas curtas em momento de dinâmica.

Novo mapa da dinâmica na Uber
Foto: Reprodução/Uber

Violência contra os motoristas

Em junho, um levantamento realizado pelo Fantástico revelou que pelo menos 43 motoristas de aplicativo foram assassinados durante o trabalho em 2021.

Dessa forma, os motoristas estão redobrando a atenção durante o serviço. Para isso, eles analisam diversos fatores, como a nota do passageiro e seu endereço de partida e destino.

Vale lembrar que alguns apps não disponibilizam para todos os motoristas o endereço completo de destino do passageiro no momento que envia a corrida. Geralmente, eles colocam apenas o nome do bairro ou região.

Por isso, é comum que muitos motoristas perguntem via chat para o passageiro qual o destino final da viagem.


A Machine é a principal tecnologia para criação de aplicativos de transporte e entregas do Brasil. Juntos, os apps desenvolvidos com nossa tecnologia já tiveram mais de 130 milhões de solicitações.