Início » A semana no Mercado da Mobilidade Urbana (16/08 – 20/08)

A semana no Mercado da Mobilidade Urbana (16/08 – 20/08)

fundo branco com uma ilustração de uma pista e por cima um megafone com ícone de localização

Nova regulamentação para motoristas e investimentos milionários em startups marcaram a semana do mercado da mobilidade urbana.

A semana na Mobilidade Urbana teve novidades em dois dos setores mais relevantes da área: O dos motoristas e o das empresas.

Na tentativa de regularizar a atuação de motoristas e entregadores, o Governo Federal estuda a criação de uma categoria de contribuição semelhante ao MEI, mas específica para profissionais da área.

No outro lado, nesta semana a Kovi, startup de aluguel de veículos para motoristas de app, recebeu um aporte internacional no valor de R$ 500 milhões, com os quais a empresa pretende expandir o campo de atuação.

Outra empresa contemplada com investimentos foi a RoutEasy, plataforma de roteirização e gestão de entregas, com um aporte de R$ 5,8 milhões do grupo dono do posto Ipiranga.

Governo estuda criar categoria de contribuição para motoristas de app

A demanda por melhores condições de trabalho para motorista e entregadores tem sido cada vez maior.

Desde a popularização dessas funções, que são indispensáveis para a mobilidade urbana, existe o questionamento acerca de um grau de formalização para esses profissionais.

Segundo o jornal O Globo, está sendo estudada a criação de uma regulamentação que enquadre e padronize as atividades dos condutores de aplicativos.

A proposta se iguala a de um microempreendedor individual (MEI) que permite acesso a:

  • Aposentadoria;
  • Pensão;
  • Auxílio doença;
  • Licença maternidade.

O governo pretende nomear a categoria como “microempreendedor digital” ou MED.

Não seria constituído um vínculo empregatício entre motoristas e aplicativos.

De forma semelhante ao MEI, passaria haver uma contribuição obrigatória por parte de motoristas e entregadores de aplicativo. As plataformas ficariam encarregadas de recolher a contribuição do governo, no valor de R$ 55 mensais, que seriam descontados de forma automática a cada serviço concluído pelo condutor.

Kovi recebe investimento estrangeiro

Na quarta-feira (18), a startup brasileira Kovi anunciou o recebimento de um investimento no valor de U$ 100 milhões.

O aporte parte de diversos grupos, tendo como líder o fundo norte-americano Valor Capital Group (dono de marcas como Gympass, Loft e Gupy) e sendo seguido pelos fundos Prosus Ventures, Quona, GFC, Monashees, Ultra Venture Capital, Globo Ventures, Maya Capital e ONEVC.

A Kovi anunciou que tem dois principais objetivos para o futuro próximo, com os quais o novo investimento certamente colaborará.

O primeiro é a expansão em nível internacional das atividades da empresa. O segundo é expandir o modelo de negócios da startup.

Atualmente, a Kovi tem como principal atividade o aluguel de veículos novos para quem já é ou deseja se tornar um motorista de aplicativo.

Porém, os planos da empresa visam incluir o público geral em seus negócios, atuando em um modelo de aluguel de carros por assinatura.

“Hoje, cuidamos de quase 11 mil carros e queremos ser um líder global para carro de assinatura para pessoa física.”

Adhemar Milani, cofundador e presidente da Kovi.

Grupo dono do posto Ipiranga investe na RoutEasy

Também foi anunciada essa semana, um investimento de R$ 5,8 milhões que o Grupo Ultra, detentor de marcas como Posto Ipiranga e a Ultragaz, fará na logtech (startup de tecnologia aplicada em transporte de cargas) RoutEasy.

O aporte será um marco de crescimento da empresa, que fundada em 2016, só havia captado R$ 400 mil em rodadas com investidores-anjo.

O Grupo Ultra é conhecido por investir em startups ligadas à mobilidade, tendo investido na startup pernambucana de motos elétricas, Voltz e na Kovi.

“Se conseguir entregar o que promete, esse tipo de ferramenta tem um grande potencial de adoção no mercado. Não é surpresa que, assim como aconteceu com outras logtechs e grandes empresas, eles tenham chamado atenção do Ultra.”

Mauro Schluter, professor de logística da Mackenzie.

O que chamou atenção do grupo investidor foram os algoritmos de inteligência artificial que a plataforma da RoutEasy utiliza no processo de otimização de rotas e gestão das frotas.

A partir deles, a logtech analisa um leque amplo de variáveis para planejar as rotas mais eficientes nas entregas e coletas de última milha.

Sob desconfiança, grandes plataformas anunciam medidas para auxiliar motoristas

Após seguidas reportagens sobre as dificuldades enfrentadas pelos motoristas de aplicativo, as grandes plataformas de mobilidade urbana anunciaram medidas para auxiliar os profissionais.

Segundo o Estado de São Paulo, a 99 anunciou na última quinta-feira (18), que irá zerar a cobrança de taxas em determinadas viagens. A empresa ainda não informou exatamente em que momento, mas avisou que valerá para todos os serviços de transporte, com excessão dos táxis.

Além disso, a 99 promete oferecer corridas com bônus em determinados momentos.

Já a Uber, anunciou uma parceria com a GetUpside nos Estados Unidos, uma startup de tecnologia para empresas de varejo, que irá oferecer reembolsos e descontos em postos de gasolina e lojas de conveniência para os motoristas e entregadores do país.