No lado direito da imagem, há um mini ônibus personalizado com temática de pizza, à esquerda está escrito: frota própria ou terceirizada

Frota própria ou terceirizada: vantagens e desvantagens

Farmácias e restaurantes, que operam em sistema de delivery, inevitavelmente necessitam escolher entre ter frota própria ou terceirizada.

Nos últimos anos, a tecnologia permitiu uma grande virada no mercado de entregas.

Estabelecimentos como farmácias e restaurantes ganharam diversas opções, para realizar entregas e impulsionar as vendas.

No entanto, os aplicativos de delivery como iFood, Uber Eats e Rappi trouxeram também algumas interrogações nas cabeças de donos de estabelecimentos.

Não propriamente novas interrogações. Afinal, não é de hoje que farmácias e restaurantes precisam optar entre ter a própria frota de entregadores ou terceirizar o serviço.

No entanto, os aplicativos marcaram uma nova fase. Se, por um lado, impulsionam as vendas dos estabelecimentos – segundo o iFood, os restaurantes alcançam aumento médio de 50% em faturamento após entrar na plataforma -, por outro, criaram uma relação de dependência, distanciando clientes e estabelecimentos.

Por isso, muitos empresários acabam optando por construir a própria frota.

Vamos conversar sobre as vantagens e desvantagens de ter uma frota própria, ou terceirizada.

Frota própria

A frota própria é o modelo em que a farmácia ou restaurante contrata os próprios motoboys e entregadores.

Nesse modelo, o estabelecimento pode contratar os profissionais como trabalhadores formais, dentro do regime da CLT, ou de forma autônoma, fazendo contratos de prestação de serviços.

Caso opte por esse último modelo, é muito importante que o estabelecimento preste atenção nas regras trabalhistas que regulamentam o trabalho autônomo, até para não gerar nenhum problema no futuro.

Caso opte por contratar o motoboy, ele será mais um funcionário da empresa, assim como um garçom ou cozinheiro nos restaurantes, e os balconistas e farmacêuticos, no caso das farmácias.

Os estabelecimentos também podem adquirir os equipamentos de proteção e veículos. Logo, também é responsável pela manutenção.

Em um dos nossos artigos anteriores, explicamos como contratar um motoboy para delivery. Se ainda não conferiu, dê uma lida ao final deste texto.

Citamos o empresário Marcelo Marani, que explica a sua preferência por contratar um motoboy dentro da CLT, para que tenha o profissional 100% à disposição.

Padronização no atendimento

Uma das principais vantagens, de possuir a própria frota de entregadores para restaurantes e farmácias, é conseguir padronizar a excelência no serviço.

Afinal, como funcionários do estabelecimento, é possível treinar, capacitar e criar normas de atendimento, vestimenta e higiene para os entregadores.

Mais do que uma questão estética, padronizar vestimentas possibilita personalizar os equipamentos com a marca do estabelecimento, gerando visibilidade para o negócio.

Controle da operação

Além de padronizar o atendimento, contar com a própria frota possibilita controlar importantes questões em uma operação de delivery, como tempo e preço da entrega.

Afinal, ao terceirizar a frota, inevitavelmente, o estabelecimento repassa essas responsabilidades às empresas contratadas.

Informações sobres os clientes

Das reclamações sobre aplicativos de delivery, uma das principais é a falta de informação que o estabelecimento acaba tendo sobre os clientes.

Como já explicamos em outros artigos, em alguns apps o cliente se torna apenas um número, e o restaurante fica sem acesso a nomes, telefones, e-mails e hábitos de consumo, que podem ajudar a elaborar estratégias comerciais.

Vale destacar que esse problema não é exatamente causado pela terceirização da frota mas, sim, pela contratação de apps delivery em que a venda acontece dentro deles.

Assim, se o estabelecimento realiza a venda em site próprio, mas contrata uma empresa de motoboys para fazer a entrega, a falta de informação não se torna uma questão.

No entanto, a terceirização de frota para grandes apps ocasiona esse problema.

Frota terceirizada

O modelo da frota terceirizada é aquele em que o restaurante ou farmácia não possuem a própria frota.

Assim, eles contratam uma empresa de motoboys, especializada em entregas, ou realizam cadastro em apps de delivery para contar com a frota do aplicativo.

Vale lembrar que nem todo plano de aplicativo de delivery conta com a frota de entrega.

O iFood, por exemplo, possui dois planos: básico e entregas. Apenas no segundo o restaurante conta com a frota de entregadores do aplicativo.

A grande vantagem desse modelo é, sem dúvidas, os gastos que acabam sendo menores, tanto com a contratação dos profissionais, quanto pela manutenção dos equipamentos.

Além disso, no caso de aplicativos de delivery, a gestão é automatizada, já que a venda ocorre dentro do app, que já chama um entregador para o serviço.

Custos de contratação e manutenção

Como falamos anteriormente, o modelo de terceirização de frota acaba se tornando vantajoso para quem tem o foco de gastar menos.

Afinal, você não terá gastos com contratação de funcionários e encargos trabalhistas, nem com a manutenção de equipamentos.

Tudo fica a cargo do aplicativo de delivery ou empresa de motoboy que você contratou.

Dessa forma, o foco do estabelecimento é, unicamente, preparar a encomenda e entregar para o parceiro realizar o serviço.

Foco no negócio

Outra vantagem de uma operação com frota terceirizada é a possibilidade de focar exclusivamente na atividade fim do negócio.

No caso de aplicativos de delivery, o sistema é integrado. Assim, o restaurante faz uma venda e imediatamente já despacha para o entregador.

Dessa forma, ele não se preocupa com essa parte da operação.

Segundo o diretor técnico do Sebrae Bruno Quick, em entrevista à Folha de São Paulo, manter uma estrutura de entregas demanda tempo e investimento.

Assim, ao terceirizar essa etapa da operação, o empreendedor, principalmente do pequeno negócio, consegue ficar inteiramente focado.

A realidade é que não existe uma resposta única para o que é melhor para todos os estabelecimentos. Por isso, é necessário que cada empresário avalie prioridades e, assim, decida o que é o melhor para o negócio.