Meu nome é Fábio
e eu criei um aplicativo de transporte

Mês da Mobilidade | 2021
Fábio, dono da Bora 94, sorrindo e segurando um celular escrito Bora 94 com um carro ao fundo.

Olá, tudo bem? Meu nome é Fábio Lucas. Moro em uma cidade chamada Marabá, no interior do Pará. Marabá tem quase 300 mil habitantes e somos conhecidos por sermos a Terra da Castanha.

Mais recentemente, a Terra da Castanha ganhou mais um motivo para se orgulhar.

Viramos a Terra da Bora94. 

Você, aí no Rio de Janeiro, pode até nunca ter ouvido falar. Mas essa empresa/aplicativo é o resultado de muito esforço, um sonho e um celular vendido. E é essa história que agora eu gostaria de compartilhar com você. 

Há mais ou menos 1 ano atrás, eu estava como os milhares de motoristas de aplicativo, na luta pelas ruas da cidade. Sou bacharel em direito e comecei nos aplicativos como uma forma de complementar a renda que ganhava no estágio.

Quando meu estágio acabou, os apps viraram minha principal fonte de renda. Foi aí que eu comecei a rodar todos os dias, até no final de semana.

Fábio sentado no banco do motorista de um carro com a camiseta do Bora 94.

E foi rodando pelas cidades que eu conheci muita gente e vi muita coisa. Cara, essa nossa profissão é uma das coisas mais malucas que se tem na vida. A gente vê cada coisa! 

Às vezes ela é engraçada. Às vezes perigosa. 

Mas uma coisa que é certa, é como é difícil para um motorista fechar as contas, principalmente os iniciantes. 

Os aplicativos multinacionais raramente entendem a nossa realidade. O combustível aumenta, a manutenção aumenta e as tarifas continuam as mesmas. 

Como alguém lá da Califórnia vai saber o que é ser motorista em Marabá? 

Eu, particularmente, recorri ao Youtube e comecei a acompanhar alguns canais que davam dicas para os motoristas. Um deles foi o Fernando Floripa. 

Hora ou outra, ele falava de uma empresa chamada Machine, que desenvolvia aplicativos de transporte para grupos de motoristas. Eu sempre tive essa veia empreendedora pulsando dentro de mim. Já vendi lanche e estava sempre em busca de uma oportunidade. 

Mas montar um aplicativo? Qual seria o custo? 1 ou 2 milhões? Fui pesquisar mais a fundo e… não é que era viável?

Para levantar uma grana e começar o negócio, vendi meu iPhone e peguei um empréstimo no banco. 

Olha, essa é uma parte nada fácil. Mas como eu sempre falo: R$ 1 mil bem investidos valem mais do que R$ 10 mil investidos de qualquer jeito. Eu contei com o suporte de quase 100 profissionais de um grupo de motoristas aqui da cidade. 

Eles me deram dicas, orientações e até o nome do aplicativo surgiu por lá. Bora 94, que é o DDD da nossa cidade.

Fábio Lucas, dono da Bora 94, trabalhando no escritório.

No início, a maior batalha foi atrair os passageiros, que já estavam acostumados com a Uber e a 99. Mas com a ajuda dos motoristas, conseguimos de grão em grão mais e mais clientes. Hoje somos 900 motoristas unidos para trazer melhores condições para nossa profissão.

Por aqui, trabalhamos com uma taxa de R$ 1 por corrida e o resto é todo do motorista que realizou o serviço. 

Desde o valor mínimo até o preço do minuto e quilometragem, tudo é pensado de uma forma que valha a pena para o motorista. 

O caminho não é fácil. Nem um pouco. Mas há vida fora das grandes plataformas.

Te convido a conhecer a próxima história e, além de tudo, acreditar que quem faz a roda girar somos nós: motoristas. 

Fábio Lucas, dono da Bora94

LIVE

E eu tenho mais história pra contar! Não perca a minha Live com o Fernando Floripa:

14/Setembro | 19h | Canal do Fernando Floripa Motorista Uber