Início » Entrevista com motorista: Marcelo, o Uber fora da curva

Entrevista com motorista: Marcelo, o Uber fora da curva

Entrevista com motorista Marcelo, o Uber fora da curva

O motorista Uber Marcelo Ribeiro nasceu e viveu durante toda sua vida em Porto Alegre. Segundo ele, achava que conhecia a cidade como a palma da sua mão. Até começar a trabalhar com os aplicativos.

“Um cara que acha que conhece sua cidade deveria trabalhar com aplicativo. Aí sim conhece mesmo. Todo dia descubro algo novo em Porto Alegre”.

Hoje, dono de um dos principais canais para motoristas de aplicativo do Brasil (“Uber fora do curva” já conta com quase 40 mil inscritos), Marcelo trabalhou por anos na área comercial de lojas de esporte. “Deixei meu último emprego CLT por conta própria. Estava no mercado de vendas de carro e não estava indo bem. Aí eu pensei ‘quer saber? vou apostar nos apps?'”.

O motorista e Youtuber está completando três anos nos apps e 15 mil corridas realizadas.

Erros e aprendizados no início

Marcelo começou a rodar na Uber. Segundo ele, seus ganhos eram maiores a cada semana.

Os erros eram comuns nos primeiros dias. No entanto, Marcelo ia usando cada erro como uma forma de aprendizado para melhorar na profissão. “Por exemplo, a cada usuário que eu pegava, ia percebendo um perfil. Pessoas com notas baixas tendem a te deixar esperando, bater a porta e sujar o carro. Já pessoas com notas melhores ofereciam viagens muito tranquilas”.

Marcelo acabou se apaixonando pela profissão, principalmente por sempre ter gostado de trabalhar com o público. Segundo ele, encontrou ali seu habitat natural.

“Principal desafio é a segurança”

Marcelo conta que o maior receio das pessoas que trabalham como motorista é a segurança. O que faz, inclusive, muitas interessados no emprego não se cadastrarem.

Com ele não foi diferente. No entanto, para Marcelo, com o tempo você vai pegando melhores estratégias para se proteger. “No começo, os apps só rodavam em zonas nobres e só aceitando cartão de crédito, então os assaltos eram zero”.

Quando as corridas em dinheiro começaram, Marcelo confessa que ficou preocupado. Porém, ainda sim acredita que é possível se proteger.

Ele mesmo se orgulha e coloca como descrição do seu canal no Youtube que está há três anos como motorista e nunca foi assaltado.

Pensando em ganhos por hora

Marcelo revela que uma de sua principais estratégias para faturar mais como motorista foi fazer uma análise mais detalhadas dos seu ganhos.

Assim, passou a calcular quanto ganhou em um determinado dia por hora trabalhada. Dessa forma, conseguia identificar os melhores dias e horas para trabalhar como motorista de aplicativo.

Então, foi alinhando estratégias para melhores ganhos com bom atendimento, o que fez sua nota subir no aplicativos. Apesar disso, os colegas criticavam por se preocupar tanto com nota. “Eles diziam que com meus números não dava nem pra brincar. Eu tinha 4.95 e a média do grupo era 4.6 ou 4.7 (…) mas eles não davam bola, diziam que eu só falava de nota e atendimento, pediam pra eu parar”.

Porém, como ele já tinha experiência com atendimento ao cliente, dizia que era impossível trabalhar como motorista sem pensar na relação com o usuário.

Foi então que começou a dar dicas para outros motoristas melhorarem suas notas e seu atendimento.

Ideia do canal surgiu jogando bola com a filha

Como muitos motoristas, Marcelo buscou informações sobre a profissão em canais no Youtube. No entanto, nos seus primeiros dias como motorista, haviam poucos canais. “Tinham uns três canais no Youtube. Mas um fechou porque a Uber parou de dar incentivo por indicação de novos motoristas. Aí ficou só o Marlon e mais um canal em Sao Paulo”.

Um dia, enquanto jogava bola com sua filha, Marcelo estava auxiliando pelo WhatsApp um colega a como melhorar seu atendimento. “A minha filha viu aquilo e falou que em vez de ajudar pelo WhatsApp, eu poderia gravar um video, assim não atrapalharia o futebol dela”.

Foi então que ele começou a estudar sobre canais no Youtube. Sua filha assistia conteúdos de Youtubers como Felipe Neto e Whindersson Nunes. “Quando criei o canal, ainda fiquei uns oito meses com ele parado, sem nenhum conteúdo. Mas quando passaram a surgir outros canais, vi que precisava fazer alguma coisa, pois eles tinham muita visibilidade e eu discordava demais do que alguns falavam”.

Assim, Marcelo começou a publicar conteúdo. Segundo ele, o que ajudou muito impulsionar o canal, foi a conquista do prêmio de melhor motorista de Porto Alegre.

O canal começou a crescer e ele passou a monetizar, ou seja, receber dinheiro com anúncios do Youtube. Para ele, a melhor parte é o reconhecimento dos colegas de trabalho. “Eu falava muito sobre qualidade do atendimento, então quando a Uber passou a desligar motoristas com nota baixa, esse meu trabalho foi muito importante”.

Youtube abriu muitas possibilidades

Segundo ele, o Youtube permitiu que ele diversificasse a renda, tendo novas fontes de remuneração. “Hoje a minha renda depende cada vez menos do meu trabalho como motorista. Isso me permite escolher o que é melhor para mim”.

Marcelo acredita que o sucesso dos canais para motoristas é uma consequência da tendência mundial de procurar conteúdo na internet.

Segundo ele, é importante buscar um nicho e ser o primeiro a falar sobre um determinado assunto.

Se fosse dono de um aplicativo buscaria valorizar mais os motoristas

Para Marcelo, a Uber acertou muito quando criou o clube 6 estrelas e passou a valorizar os melhores motoristas. Isso acabou fazendo o que a 99 tomasse o mesmo caminho.

Ele acredita que existe uma tendência dos aplicativos de cortarem incentivos financeiros por indicação. No entanto, ele ressalta a importância de valorizar os melhores motoristas da frota. ”Com certeza se eu fosse dono de um aplicativo, buscaria dar condição para que todos os motoristas exercessem um bom trabalho e premiaria os melhores”.


A Machine é a principal tecnologia para criação de aplicativos de transporte e entregas do Brasil. Juntos, os apps desenvolvidos com nossa tecnologia já tiveram mais de 130 milhões de solicitações.