Início » É melhor construir um app do zero ou contratar uma empresa?

É melhor construir um app do zero ou contratar uma empresa?

homem pensativo

Ao decidir criar um app de transporte, surge a dúvida de como desenvolvê-lo. Qual é a melhor forma: começar do 0 ou contratar empresa?

De acordo com a pesquisa do portal Guia Bolso, os gastos com aplicativos de transporte vêm crescendo a cada dia. A pesquisa comparou os valores desembolsados pelos usuários com combustível, aplicativos de transporte, bicicletas e patinetes.

Os gastos com combustível seguem em primeiro lugar; contudo, vem decrescendo ao longo do tempo. Segundo a pesquisa, nos últimos anos houve uma queda de 31% para 29%.

Em contrapartida, os gastos com aplicativos de transporte subiram de 23,3% para 25,4%. Já o valor investido em transportes alternativos como bicicletas e patinetes cresceu de 0,1% para 0,9%.

Gráfico de gastos com transporte
Infográfico: Guia Bolso

Apps de transporte consomem até 10% do orçamento dos brasileiros

Ainda segundo a pesquisa Guia Bolso, junto com o aumento na adesão de novos usuários também cresceu o valor gasto, em média, por cada um deles.

Em maio desse ano os 72 mil cadastrados na plataforma Guia Bolso afirmaram ter gasto R$119 com os aplicativos de transporte naquele mês.

Além disso, em pesquisa recente realizada pela equipe da Machine com mais de cem usuários da Uber, 67,5% afirmaram que o preço das corridas as fariam trocar a Uber por um app de transporte regional.

Sendo assim, não apenas os grandes apps vêm crescendo, mas os regionais também seguem esse fluxo.

Então, baseados nesses dados, muitos empreendedores decidiram investir no mercado de aplicativos de transporte, mas esbarram na dúvida: começar do 0 ou contratar empresa?

Desenvolvedores particulares podem cobrar cerca de 200 mil dólares

Hoje, criar um app de transporte tipo Uber está avaliado de 200 mil a 1 milhão de dólares, tirando outros custos adicionais e a manutenção.

Segundo os desenvolvedores de aplicativos da Tech Magic, republicado pela Use Mobile, criar um aplicativo como Uber leva em média 5.000 horas de trabalho. A Use Mobile conta que um desenvolvedor de apps cobra por hora de 20 a 150 dólares. 

Vamos usar como exemplo o desenvolvedor mais barato. O custo da produção do seu aplicativo seria de 200 mil dólares. 

Segundo a Dub Soluções, os preços dos desenvolvedores de aplicativos variam de região para região do mundo.

  • América do Norte ($60-250 por hora)
  • Reino Unido ($60-150 por hora)
  • Europa Ocidental ($40-120 por hora)
  • Europa Oriental ($20-100 por hora)
  • Índia ($10-80 por hora).

Além disso, segundo a Use Mobile o tempo de lançamento pode chegar a três meses.

Aplicativo White Label pode ser a solução mais econômica

Contratar uma empresa que forneça uma plataforma White Label pode ser a melhor solução para quem ainda não quer gastar tanto dinheiro.

Um aplicativo de transporte white label é uma categoria de aplicativo que os empreendedores podem alugar a licença de uso para configurar com sua marca, preços e forma de trabalho.

Dessa forma, os empreendedores ficam concentrados na gestão do negócio, relacionamento com passageiros e motoristas, preço das corridas, marketing da empresa e assim por diante.

A parte da tecnologia, dos custos com mapas, servidores, atualização e manutenção do aplicativo fica com a empresa responsável por “alugar” o aplicativo.

Vale destacar que essa empresa é dona do aplicativo base e por isso os empreendedores que escolhem esse modelo de negócio não conseguem realizar grandes personalizações no produto, como mudar seu visual ou adicionar funcionalidades por conta própria.

Na mão do empreendedor ficam diversas configurações da forma de trabalho, como o despacho, os preços, a logo e diversas outras funcionalidades que a empresa desenvolvedora liberar.

Dessa forma, novas atualizações são realizadas por essas empresas, que irão disponibilizá-las para todos os seus clientes.

Portanto, plataformas white label costumam ter uma taxa de adesão e mensalidades fixas (por corrida ou por número de motoristas) que podem variar de acordo com a política da empresa mas que, ainda sim, saem mais em conta do que contratar um desenvolvedor particular.