Ilustração de uma mão tocando um celular com um app de entregas aberto, ao lado há quatro balões: uma há ilustração de um caminhão, outra uma caixa, outro um relógio e no outro uma balança. Ao lado da ilustração está escrito "como criar um aplicativo de entregas via motoboy?"

Como criar um aplicativo de entregas via motoboy?

Há duas formas de criar um aplicativo de entregas via motoboy: contratando uma desenvolvedora ou uma plataforma white label.

Se você caiu nesse texto, muito provavelmente você tem uma empresa de motoboys ou precisa deste serviço para realizar as entregas do seu negócio, não é mesmo?

Se o seu caso é outro, não tem problema. Seja muito bem-vindo.

Nos últimos meses, os aplicativos de entregas tornaram-se grandes personagens do mercado. 

Afinal, com as medidas de isolamento social, e a insegurança das pessoas em saírem de suas casas, muitos negócios precisaram migrar para o digital. De restaurantes à lojas de roupas.

Por isso, os serviços de entregas e o trabalho dos motoboys, bikeboys e até dos motoristas de aplicativos, que se desdobram com as entregas, tornou-se ainda mais essencial.

Da parte das empresas, contar com uma tecnologia segura e que ao mesmo tempo garanta uma boa margem de lucro, virou uma necessidade ainda maior.

No caso das empresas de motoboys, é necessário oferecer aos clientes uma plataforma que os permitam solicitar rapidamente o seu serviço.

No caso dos estabelecimentos com frota própria, uma plataforma que os possibilite dizer adeus às operações manuais, ao mesmo tempo que garanta independência dos serviços de terceiros.

Por isso, para esses dois “personagens” surge a mesma pergunta: como criar um aplicativo de entregas via motoboy?

As duas formas de criar um app de entregas

Como falamos no início do texto, para criar seu aplicativo de motoboys, você pode contratar uma empresa desenvolvedora ou assinar uma plataforma white label.

Como tudo na vida, cada um desses modelos possuem suas vantagens e desvantagens.

Escolher por qual caminho seguir vai depender muito da sua necessidade, orçamento e, claro, prioridades. 

Se você já leu algum dos nossos textos sobre criação de aplicativos, já sabe que o exemplo que sempre damos é o da construção ou aluguel de uma casa. 

Se você quer uma casa exatamente do seu jeito, com sua cor preferida, piscina, sauna, sala de jogos ou o que for, a construção de uma casa do zero é o melhor caminho. Mas, ao mesmo tempo, você sabe que precisará investir um orçamento maior.

Por outro lado, se você entende que uma casa já construída, em que você pode fazer algumas configurações, arrumar a decoração e trocar os móveis de lugar, te serve, o aluguel pode ser um bom caminho. Ou seja, apesar de não conseguir ter algo tão personalizado, terá um investimento menor e uma qualidade, claro, se pesquisar bem.

Lançar um aplicativo é um caminho muito parecido.

Contratar uma empresa desenvolvedora 

No mercado, há empresas especializadas em vender projetos de aplicativos.

Reforçando a comparação já apresentada, é como se fosse um escritório de engenharia ou de arquitetura.

Você chega lá, apresenta seu projeto, fala o que deseja e a equipe do escritório vai montando a casa de acordo com as suas vontades, necessidades e é claro, orçamento.

Com um aplicativo, o caminho é o mesmo: você contrata a empresa desenvolvedora e tem a liberdade de construir o app com as funcionalidades e design que imagina. 

No entanto, tanto no momento da criação quanto com o aplicativo em funcionamento, os custos são elevados.

Afinal, você precisará de uma equipe de programadores permanente para realizar a manutenção do aplicativo, colocar novas funcionalidades, manter a infraestrutura, além de outros custos que, quando somos apenas usuários, nem imaginamos.

Por exemplo, no caso de apps de entregas você precisa de um serviço de mapas. Algumas empresas como a Here e a Google oferecem esse serviço de forma paga. 

Dependendo do modelo, a cobrança é feita através do uso. Assim, cada vez que alguém fizer uma simulação de entrega, você pagará pelo uso do mapa.

Por isso, você pode imaginar que ao final do mês os custos com o serviço podem ser bem elevados. 

Assinar uma plataforma white label

Assinar uma plataforma white label é como alugar uma casa.

Assim, ao contratar o serviço, você recebe um aplicativo padrão. Nele, você pode colocar a logo do seu estabelecimento ou empresa de motoboys, definir as tarifas que serão cobradas e habilitar ou desabilitar funcionalidades disponibilizadas pela empresa.

Isso significa que, apesar de você ter pouca personalização em relação a um app construído do zero, você terá menos custos e dor de cabeça com a ferramenta. Lógico, se contratar uma de boa qualidade.

Afinal, geralmente nesse modelo já vêm embutidos gastos com mapas, servidores, manutenção e atualização. Assim, você paga uma taxa de geração do aplicativo e as mensalidade de uso. 

A Machine é uma dessas plataformas White Label, em que as empresas de motoboys e estabelecimentos comerciais podem lançar seus próprios apps, como logo, preços e formas de trabalhar. Além disso, a plataforma disponibiliza diversas funcionalidades, que você pode conferir na página “como funciona?“.

Contratar uma desenvolvedora ou assinar plataforma white label?

Depende do seu orçamento e necessidade.

Se você precisa de algo 100% personalizado ao seu negócio e com funcionalidades muito específicas, construir um app do zero com uma desenvolvedora é o melhor caminho.

No entanto, lembre-se que você precisará de um orçamento maior e terá gastos recorrentes com mapas e servidores.

Já para você que precisa de uma ferramenta usual e não vê necessidade de tanta personalização, confira as plataformas white label disponíveis no mercado. 

Afinal, você precisará fazer um investimento menor e contará com uma tecnologia já testada no mercado.