99Empresas: o que é e como funciona?

A 99Empresas é a solução de viagens corporativas da 99. Com ela, as empresas cadastram seus funcionários para que o app realize o transporte deles.

Contar com o trânsito gera sempre uma tensão por medo de chegar atrasado ou, ainda, perder compromissos importantes.

Para solucionar esse problema, muitas empresas permitem que seus colaboradores peçam táxi, Uber, 99 ou qualquer outro transporte particular por conta própria. 

Aliás, esse tema já apareceu diversas vezes aqui no blog e a nossa própria plataforma permite que os aplicativos que usam nossa tecnologia ofereçam o serviço de corridas corporativas por meio do voucher eletrônico.

No texto de hoje vamos falar especificamente da solução da 99 para esse setor.

O que é a 99Empresas?

A 99Empresas é a solução de viagens corporativas da 99

Com ela, os colaboradores podem realizar viagens sem que a empresa precise criar uma frota própria ou pagar por estacionamentos. 

Além disso, os gestores podem ter um controle maior dos gastos com menos burocracia.

A plataforma de gestão permite que o administrador tenha uma visão geral das corridas. Ele pode filtrar, por exemplo, corridas feitas em um mês específico.

Ele pode, ainda, acompanhar quanto já foi gasto e quantas corridas cada setor da empresa fez.

Como usar o 99Empresas?

O primeiro passo é entrar no 99app.com/empresas.

Em seguida, o responsável pela empresa deve cadastrar a companhia.

Então, deve preencher um formulário com dados gerais sobre a empresa.

Não esqueça de ler os Termos de uso da 99Empresas.

A 99 enviará um e-mail de confirmação. Depois, é só cadastrar a forma de pagamento e adicionar os colaboradores.

Como funciona?

Após cadastrar a empresa, o gestor pode permitir a quais categorias seus funcionários terão acesso. 

São elas: 99Pop, 99Comfort, 99Taxi ou taxi comum. É possível visualizar o valor de cada corrida e, assim, liberar o acesso da categoria mais em conta, por exemplo.

Além disso, o administrador também pode habilitar o funcionário para que ele peça pelo próprio celular. Para isso, pode exigir justificativa obrigatória para que as corridas não saiam do controle.

Independente da forma de solicitação, o processo é o mesmo de uma corrida comum: digitar o endereço de partida e de destino. 

Contudo, antes de confirmar, ele precisa alterar a forma de pagamento, indicando que utilizará o voucher da empresa. É necessário informar o centro de custo, o projeto e a justificativa da viagem. 

Depois é só confirmar!

Utilizando o voucher e informando os dados solicitados, a fatura vai direto para empresa. As restrições de uso vão depender exclusivamente da administração.

Para impedir que funcionários utilizem o serviço de forma errônea, muitas empresas só permitem que o ponto de partida das corridas seja a sede empresarial ou então que somente funcionários que fiquem até tarde possam solicitar.

Segundo a 99, grandes empresas como o Grupo TrendFoods (Gendai e China in Box) e a 99Jobs usam a solução corporativa do aplicativo.

Cabify cidades: quais são as cidades atendidas pelo app?

No Brasil, a Cabify está presente em apenas 8 cidades, bem menos do que suas principais concorrentes do ramo.

A Cabify nunca negou que sua estratégia não é atingir o maior número de pessoas e locais possíveis no atacado.

Basta olharmos para a área de atuação de suas principais concorrentes, Uber e 99.

No Brasil, a 99 está presente em mais de mil cidades e em todos os estados do país.

Já a Uber, apesar de não divulgar oficialmente seus dados, não fica atrás.

Por outro lado, a Cabify atua em apenas 8 cidades do Brasil, sendo 6 capitais e 2 grandes municípios do estado de São Paulo: Campinas e Santos.

Hoje, vamos destacar a operação em cada um desses locais de atuação.

Todas as informações foram retiradas da página oficial de tarifas da Cabify.

Belo Horizonte

A capital mineira é uma das cidades em que a Cabify opera no Brasil.

Por lá, a empresa oferece tanto serviços de transporte quanto de entregas.

Em uma viagem de até 15 km, o aplicativo cobra R$ 1,70 por cada quilômetro rodado.

A partir do 15° km, essa tarifa vai para R$ 1,30.

Já o minuto rodado é R$ 0,17, além do preço base de R$ 1,00.

A tarifa mínima das viagens é R$ 7,00, a não ser que a viagem tenha sido agendada. Nesse caso, o passageiro paga uma taxa mínima de R$ 25,00.

Em relação aos serviços de entregas da Cabify, a taxa cobrada é R$ 1,42 por km rodado mais R$ 0,13 por minuto, além da bandeirada de R$ 1,90.

A tarifa mínima é de R$ 5,90 e não há a possibilidade de agendar o serviço.

Brasília

A capital do país está no mapa da Cabify.

Em Brasília, a empresa também oferece os serviços de transporte e entregas.

O aplicativo cobra uma tarifa de R$ 3,50 da bandeirada, mais R$ 1,33 por km rodado e R$ 0,19 por minuto.

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 7,20, e a das agendadas é de R$ 17,00.

Já as tarifas dos serviços de entregas são as seguintes:

  • R$ 1,30 por km;
  • R$ 1,49 por km maior que 20km;
  • R$ 0,19 por minuto;
  • R$ 0,90 de preço de partida.

A tarifa mínima é de R$ 6,40.

Campinas

Campinas é a única cidade do interior em que a Cabify opera no Brasil.

Por lá, as taxas cobradas pelo serviço de transporte são as seguintes:

  • R$ 1,25 por km rodado;
  • R$ 0,23 por minuto;
  • R$ 2,85 de preço base.

Já as tarifas cobradas nos serviços de entregas são:

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 7,00, e a das agendadas é de R$ 20,00.

  • R$ 1,12 por km rodado;
  • R$ 1,34 por km rodado maior que 9km;
  • R$ 0,22 por minuto.

A tarifa mínima das entregas que acontecem imediatamente é de R$ 6,60, e a das agendadas é de R$ 25,00.

Curitiba

Em Curitiba, as taxas cobradas pelos serviços de transporte são as seguintes:

  • R$ 1,10 por km maior que 8km;
  • R$ 0,25 por minuto;
  • R$ 2,30 de tarifa base.

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 5,00, e a das agendadas é de R$ 20,00.

Já as taxas das entregas na capital paranaense são:

  • R$ 1,13 por km maior que 8 km;
  • R$ 0,23 por minuto;
  • R$ 0,27 por minuto em viagens maiores que 8 km.
  • R$ 1,45 de tarifa base.

A tarifa mínima das entregas é de R$5,20 e não há agendamento.

Porto Alegre

Em Porto Alegre, as taxas cobradas pelos serviços de transporte são as seguintes:

  • R$ 1,10 por km;
  • R$ 0,19 por minuto;
  • R$ 2,15 de tarifa base.

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 5,90, e não há opção de agendamento.

Já as taxas das entregas na capital gaúcha são:

  • R$ 1,10 por km maior que 8 km;
  • R$ 0,19 por minuto;
  • R$ 2,15 de tarifa base.

A tarifa mínima das entregas é de R$5,90 e também não há agendamento.

Rio de Janeiro

Na capital fluminense, as taxas cobradas pelos serviços de transporte são as seguintes:

  • R$ 1,70 por km (em dias úteis);
  • R$ 1,75 por km (aos finais de semana);
  • R$ 0,20 por minuto (padrão);
  • R$ 0,30 por minuto (horário de pico);
  • R$ 0,22 por minuto (final de semana);
  • R$ 2,50 de tarifa base (padrão);
  • R$ 3,50 de tarifa base (horário de pico);
  • R$ 3,25 de tarifa base (final de semana

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 8,00 fora do horário de pico e de R$ 8,50 dentro do horário de pico. 

A tarifa mínima das viagens agendadas é de R$ 25,00.

Já as taxas das entregas no Rio de Janeiro são de R$ 1,50 por km.

A tarifa mínima das entregas é de R$5,90 e não há agendamento.

Santos

Além de Campinas, Santos é a única outra cidade não capital em que a Cabify opera.

As taxas cobradas pelos serviços de transporte são as seguintes:

  • R$ 1,12 por km (de 0 km a 7 km);
  • R$ 1,32 por km (mais de 7 km);
  • R$ 0,20 por minuto;
  • R$ 1,45 de tarifa base.

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 4,85 e as agendadas custam no mínimo R$ 25,00.

Já as taxas das entregas em Santos são:

  • R$ 1,10 por km rodado;
  • R$ 1,32 por km (mais de 7 km);
  • R$ 0,20 por minuto;
  • R$1,15 de tarifa base.

A tarifa mínima das entregas que acontecem imediatamente é de R$ 6,10 e as agendadas custam no mínimo R$ 25,00.

São Paulo

Na cidade de São Paulo, um dos principais mercados para aplicativos de transporte do mundo, as tarifas são as seguintes:

  • R$ 1,60 por km (final de semana);
  • R$ 1,44 por km;
  • R$ 0,40 por minuto (horário de pico e final de semana);
  • R$ 0,30 por minuto;
  • R$ 2,50/R$2,00 de tarifa base;
  • R$ 1,90 de taxa de serviço.

A tarifa mínima das viagens que acontecem imediatamente é de R$ 8,00 e as agendadas custam no mínimo R$ 25,00.

Já as taxas das entregas em São Paulo são:

  • R$ 1,35 por km;
  • R$ 0,25 por minuto.

Há também uma taxa extra de R$ 1,89.

A tarifa mínima das entregas é de R$ 6,59 e não há opção de agendamento.

Como cadastrar motoristas em apps gerados pela Machine?

A Machine oferece um sistema de cadastro fácil, rápido e seguro para você cadastrar seus motoristas parceiros.

Se você decidiu lançar seu próprio aplicativo de transporte com a Machine, algumas pequenas dúvidas vão começar a surgir na sua cabeça, não é mesmo?

Uma delas, provavelmente, será como cadastrar os motoristas no seu aplicativo.

A parte de divulgação, ou seja, como convencer os motoristas a dirigirem pelo seu app, você pode conferir em alguns artigos anteriores que temos aqui no blog.

Nosso objetivo hoje é mostrar na prática como funciona o cadastro.

Quais informações você vai precisar, quais pode acrescentar, enfim, tudo o que é necessário para deixar o motorista parceiro habilitado a receber as corridas pelo seu app.

Entre na sua plataforma

O primeiro passo para começar a cadastrar os motoristas no seu aplicativo, será acessar a página da sua plataforma.

É por ela que os gestores dos apps gerados com a nossa tecnologia, configuram as principais características do negócio, como tarifas, dinâmica e, é claro, o cadastro dos motoristas.

Ela é uma plataforma em nuvem, que é disponibilizada assim que você contrata a ferramenta. É possível acessá-la de qualquer lugar, usando um notebook, celular ou tablet.

Clique na aba “Cadastro” e na opção “Taxistas”

Ao acessar a sua plataforma, leve seu mouse até a aba superior “Cadastro” e clique na opção “Taxistas”, que é a forma como padronizamos a nomenclatura dos profissionais da plataforma.

Clique no botão “Criar”

Você será direcionado para a página de cadastro de motoristas.

É por aqui que você vai, no futuro, editar ou pesquisar informações sobre um parceiro específico.

Porém, como estamos ainda na parte de cadastro, você vai clicar no botão “Criar”.

Cadastre o motorista

Pronto, você chegou na página de cadastro de motoristas.

Por lá, você vai adicionar todas as informações necessárias para estabelecer a parceria com o profissional e garantir a segurança dele e dos passageiros.

Separamos o cadastro do motorista em 4 etapas:

  • Geral;
  • Documentos;
  • Cerca eletrônica;
  • Controle de créditos (em breve).

Geral

Nas informações gerais, o gestor vai inserir os principais dados pessoais e bancários dos motoristas.

Além disso, ele vai informar os dados do veículo que será utilizado para o serviço:

  • Placa;
  • Modelo;
  • Ano do modelo.

Também é possível inserir um número para o veículo e adicioná-lo em uma das categorias criadas pelo seu aplicativo, como é feito com UberX e Uber Black.

O gestor também pode informar quais são as formas de pagamento aceitas pelo motorista ou se ele se encaixa em algum filtro estabelecido, como aceitar transporte de animais ou encomendas.

Além disso, nessa página, o gestor acompanha o status do motorista, ou seja, se ele está ativo, inativo, suspenso, se está logado, com passageiro e etc.

Documentos

Aqui, devem ficar as imagens dos documentos que o motorista enviou para você.

Por uma questão de segurança é essencial que você os solicite aos interessados em trabalhar pela plataforma.

Eles podem enviar por e-mail, junto com as demais informações de cadastro ou encaminhar à sede da empresa. Da forma que você achar melhor.

Cerca eletrônica

Temos aqui no blog um conteúdo completo sobre a cerca eletrônica da Machine.

Ela é uma funcionalidade que permite ao gestor criar no mapa regiões em que o motorista pode ou não receber corridas.

Dividimos ela em áreas de permissão e áreas de bloqueio.

A área de permissão indica o local em que os motoristas podem receber corridas disparadas.

Ao selecionar, por exemplo, um bairro específico, todas as corridas solicitadas naquele local serão enviadas para os motoristas habilitados nessa área de permissão. Mesmo eles não estando dentro do bairro.

A área de bloqueio é o inverso da área de permissão. Toda vez que um motorista estiver em uma região que for definida como área de bloqueio, ele ficará deslogado e não receberá corridas até sair do local.

Controle de créditos

O controle de créditos é uma funcionalidade ainda em fase de testes na plataforma da Machine.

Quando estiver em funcionamento, ela vai permitir que o gestor exija uma recarga pré-paga antes dos motoristas começarem a aceitar os serviços.

Por exemplo, o aplicativo pode cobrar 1 real de taxa a cada corrida que o motorista realizar. Com o sistema de créditos, o profissional pode realizar uma recarga e sempre que fizer uma corrida, o sistema irá debitar 1 real da conta dele.

Assim, o app conseguirá aumentar seu controle financeiro, evitando riscos de calote.

Gaudium: a tecnologia impulsiona o mundo

A Gaudium é a empresa de tecnologia responsável pela Machine, a principal plataforma para aplicativos de transporte e entregas do Brasil.

Em 1997, o cearense Bruno Muniz chegou ao Rio de Janeiro.

Formado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual do Ceará, ele chegava pra fazer um mestrado em informática pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio).

Desde pequeno, já sabia para qual caminho queria seguir.

Aos 10 anos, já desenvolvia nas linguagens Basic e Assembly, jogos e aplicativos no TK-2000, um dos primeiros computadores pessoais do Brasil. “Sempre fui apaixonado por tecnologia e por construir”.

Enquanto Bruno chegava no Rio, o engenheiro eletrônico Ricardo Góes, que seria seu sócio anos mais tarde, estava nos seus últimos anos no Exército.

Formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Góes foi um dos responsáveis pela informatização dos sistemas do Comando da Primeira Região Militar.

Nascido e criado no Rio de Janeiro, se apaixonou pela tecnologia quando um amigo o ensinou uma linguagem de programação. “Achei incrível a possibilidade de você escrever uma coisa, o computador executar e sair o resultado esperado”.

Em 1999, começaram a trabalhar juntos na Secretaria de Fazenda do estado do Rio de Janeiro.

Não demorou muito para virarem amigos, compartilhando a paixão por matemática, xadrez e, a maior de todas, tecnologia.

Nos anos que estiveram na secretaria, o sonho de empreender acabava surgindo entre uma conversa e outra.

Então, em 2006, começaram a organizar os primeiros projetos juntos.

Mas, foi só 5 anos mais tarde que tudo realmente saiu do papel.

Assim, surgia a Gaudium, a empresa que é responsável pela Machine, principal plataforma para empresas de transporte de passageiros e entregas do Brasil, e o Mr. Frete, catálogo online de empresas de entregas no Rio de Janeiro e São Paulo.

A Gaudium passou nos últimos meses por uma revolução.

Expandiu seu quadro de funcionários, criou novos produtos e se tornou nacional, com funcionários em diversas cidades do Brasil.

Dos projetos ao produto

Nos seus primeiros anos, a Gaudium fazia projetos de aplicativos, ou seja, o cliente aparecia com um projeto e a empresa desenvolvia apps de tudo quanto é tipo.

“A gente sabia que queria trabalhar com mobile, que era algo muito novo na época. Então, começamos a oferecer para os clientes (…) batemos muita perna”, relembra Góes.

“Esse momento de sair do zero é muito desafiador, ralação pura. É necessário muita atenção nas vendas e no caixa da empresa”, diz Bruno.

Nessa fase de “projetista”, a empresa ganhou visibilidade fazendo aplicativos de times de futebol, como do Vasco e do Bahia, além de apps para grandes empresas de comunicação como o Lance e a Tv Bandeirantes.

No entanto, os sócios percebiam a necessidade da Gaudium ter um produto próprio. Algo que pudesse gerar receita recorrente para empresa e que não precisasse depender de um projeto ou outro.

Segundo Bruno, o modelo de produto também busca resolver o problema de escalabilidade. “Quando a gente vende projeto, conseguimos trazer dinheiro mais rápido, mas chega uma hora que fica muito difícil de expandir”.

Góes lembra que desde cedo, eles sabiam que a estratégia de vender projetos seria algo temporário e logo, eles iriam atrás de um produto.

Foi então que começaram a fazer vários testes com produtos que imaginavam ser rentáveis. Nenhum deles era a Machine.

“Mas, chegou um momento que começamos a ter muitos pedidos de centrais de táxi para desenvolvermos um aplicativo. Naquela época, a 99 e a Easy Táxi começavam a surgir e as cooperativas sentiram a necessidade de ter um sistema próprio”, lembra Góes.

Assim, foi nascendo o Taxi Machine, Moto Machine e o Driver Machine, que juntos, em 2019, unificaram-se na Machine, uma tecnologia que permite empreendedores, cooperativas e sindicatos terem seus próprios aplicativos de transporte, independente da modalidade, carro particular, moto ou táxi.

“O começo foi muito interessante. Lançamos a Machine em setembro de 2013. Durante um tempo, a gente equilibrava nosso produto com os projetos que ainda chegavam. Mas, em 2015, quando ela começou a pagar as contas, vimos que era hora de focar 100% na nossa plataforma de transporte”, lembra Bruno.

Desde então, milhares de aplicativos de táxi, mototáxi, carro particular e, mais recentemente, entregas, foram criados com a tecnologia da Machine.

Em novembro de 2020, a plataforma bateu a marca de 100 milhões de solicitações em sua história.

2020: a pandemia e as entregas

Em 2020, a Gaudium crescia impulsionada por seus clientes de transporte.

Alguns, fora dos grandes centros do Brasil, conseguiam superar as multinacionais.

No entanto, em março deste ano, a pandemia do novo coronavírus atingiu em cheio o mundo e o coração do negócio da Gaudium.

Afinal, como uma empresa de tecnologia para mobilidade urbana consegue servir a um mundo que precisava se locomover o mínimo possível?

“Sabíamos que precisávamos fazer algo para ajudar nossos clientes. Então, agimos rápido para prestar esse socorro”.

A empresa disponibilizou créditos aos clientes, que durante 3 meses puderam usar em suas mensalidades.

No entanto, mesmo com o desafogo financeiro, era preciso ir além.

A resposta veio dos próprios clientes da Machine.

Apesar do produto ser voltado para transporte de passageiros, alguns clientes adaptavam a plataforma para oferecer serviços de entregas.

A equipe da empresa percebeu que a estrutura já estava lá e trabalhou rápido para lançar o Módulo de Entregas, uma plataforma de despacho para empresas de motoboy e estabelecimentos comerciais.

O sucesso foi imediato. Diante do aumento do mercado de delivery no Brasil, diversas centrais de motoboys viram a necessidade de usar a tecnologia para impulsionar seus negócios.

“Fomos perguntar para aqueles clientes que já usavam a plataforma para entregas, o que eles precisavam. Em 2 semanas, o módulo de entregas estava pronto”, conta Góes.

Pouco tempo depois de colocar o módulo de entregas no ar, surgia o Mr. Frete, um catálogo online de empresas de motoboy no Rio de Janeiro e em São Paulo.

“O Mr. Frete apareceu para ajudar estabelecimentos comerciais a encontrarem empresas de motoboys e para as empresas de motoboys divulgarem seu trabalho”, explica Bruno.

Uma equipe nacional

Além dos novos produtos, a Gaudium passou por outras mudanças nos últimos meses.

Agora, a empresa é nacional e passou a trabalhar de forma remota, com funcionários em diversas cidades do Brasil.

Esse novo cenário apresenta um belo desafio para a empresa, que tem justamente a equipe como um dos seus pilares.

Góes lembra que quando a Gaudium tinha por volta de vinte funcionários, ele passou uma pesquisa para identificar quais valores eles identificavam na empresa.

A importância da equipe foi uma das mais lembradas.

“Com o trabalho remoto e, principalmente, no meio de uma pandemia, estamos criando alguns rituais para manter o espírito de grupo, mesmo à distância. Então, por exemplo, buscamos manter nossas câmeras sempre ligadas nas reuniões e agora criamos encontros para podermos ter uma conversa mais livre durante o expediente, como no cafezinho”, explica Bruno.

Para consultar as vagas abertas na Gaudium, confira o site gaudium.breezy.hr

O futuro da Gaudium

Para 2021, a Gaudium foca cada vez mais na melhoria do seu produto.

Ainda em 2020, a equipe de tecnologia aumentou de tamanho e a expectativa é que a Machine avance cada vez mais.

“Uma opinião particular que tenho é que estamos em dois mercados muito grandes: mobilidade e logística. São muitas oportunidade e problemas interessantes para resolver, vamos continuar nessa pegada, acho que nem temos noção ainda de quão longe podemos chegar”, diz Bruno.

Para Góes, está muito claro o que é preciso fazer para 2021, melhorar o produto e fortalecer a relação com o cliente.

Olhando mais para frente, os dois concordam que a expectativa é levar a Machine para outros lugares do mundo.

“Acho que podemos prover nossa tecnologia a nível mundial, sempre com foco de ser um sistema altamente customizado, para funcionar bem de acordo com as características de qualquer cidade do globo”.

Segundo Bruno, a Gaudium nasceu para ser uma empresa mundial, que resolve problemas para o mercado de mobilidade e logística. “Sabemos que ainda temos muito arroz com feijão para comer aqui no Brasil, mas a expectativa é levar nosso produto para o mundo, sempre com muito pé no chão”.

99Comfort: o que significa e como funciona?

99Comfort é a categoria premium da 99, que oferece carros mais espaçosos e confortáveis para os usuários do app brasileiro.

Constantemente estamos falando aqui da importância de oferecer uma variedade de categorias para passageiros de aplicativos de transporte.

Por muito tempo, com carros particulares, a 99 oferecia apenas a Pop.

Enquanto isso, a Uber já tinha a UberX, Uber Black, Uber Bag e a Uber Select que, posteriormente, transformou-se na Uber Comfort.

Em maio de 2019, a 99 anunciou a 99Comfort, sua primeira categoria “fora do padrão”.

Na época do lançamento, a empresa divulgou que o grande mote da nova categoria seria oferecer carros mais confortáveis para os passageiros e ganhos até 25% maiores para os motoristas.

Segundo o blog da 99, Vida de Motorista, o 99Comfort é a categoria acima do 99Pop. Sua concorrente direta não é a UberBlack, mas sim a Uber Comfort.

“Assim como acontece no caso do Uber Select, trata-se de uma categoria que valoriza os profissionais que investem em carros mais completos e que trabalham diariamente para entregar experiências diferenciadas aos seus passageiros”.

Além de atender as exigências quanto ao modelo do veículo e de estar presente em uma das cidades em que a categoria está disponível, todos os motoristas 99Comfort devem ter nota média acima de 4,7.

Tarifas 99Comfort

Por possuir um serviço mais premium do que a 99Pop, as tarifas da Comfort são mais elevadas.

Vamos ver a seguir um comparativo das taxas de cada uma das categorias na cidade de São Paulo.

99Pop99Comfort
Tarifa mínima (R$)6,507,68
Preço de início (R$)1,802,16
Taxa de quilometragem (R$/Km)8,809,60
Taxa de tempo em corrida (R$/min)0,230,28

Agora, vamos ver o mesmo comparativo na cidade do Rio de Janeiro.

99Pop99Comfort
Tarifa mínima (R$)5,406,30
Preço de início (R$)1,702,25
Taxa de quilometragem (R$/Km)2,312,02
Taxa de tempo em corrida (R$/min)0,160,17

Cidades disponíveis

A 99Comfort começou com um piloto na capital gaúcha de Porto Alegre.

Atualmente, ela está disponível também nas seguintes cidades:

  • Anápolis
  • Aracaju
  • Bauru
  • Belo Horizonte
  • Blumenau
  • Boa Vista
  • Brasília
  • Campina Grande
  • Campinas
  • Campo Grande
  • Campos dos Goytacazes
  • Cascavel-PR
  • Caxias do Sul
  • Cuiabá
  • Curitiba
  • Feira de Santana
  • Florianópolis
  • Fortaleza
  • Foz do Iguaçu
  • Franca
  • Goiânia
  • Imperatriz
  • Ipatinga
  • Itajaí
  • João Pessoa
  • Joinville
  • Juiz de Fora
  • Jundiaí
  • Lagos
  • Limeira
  • Londrina
  • Macaé
  • Macapá
  • Maceió
  • Manaus
  • Manaus
  • Maringá
  • Monte Claros
  • Natal
  • Pelotas
  • Piracicaba
  • Ponta Grossa
  • Porto Alegre
  • Porto Velho
  • Pouso Alegre
  • Presidente Prudente
  • Recife
  • Ribeirão Preto
  • Rio Branco
  • Rio de Janeiro
  • Salvador
  • Santa Maria
  • Santos
  • São José do Rio Preto
  • São José dos Campos
  • São Luís
  • São Paulo
  • Sorocaba
  • Teresina
  • Uberaba
  • Uberlândia
  • Vale do Paraíba Fluminense
  • Varginha
  • Vitória da Conquista
  • Vitória

Lista de carros 99Comfort

A lista de carros aptos para trabalhar na categoria varia de cidade para cidade.

Para saber quais são os requisitos de um local específico, entre no site 99app.com/motorista/99-comfort/ e clique na cidade desejada.

Em São Paulo, os veículos 99Comfort são os seguintes:

MarcaModeloAno mínimo
Audi 232010
Audi A32010
Audi A42010
Audi A52010
Audi A62010
Audi A72010
Audi A82010
Audi Q32010
Audi Q52010
Audi Q72010
Audi RS32010
Audi RS42010
Audi RS62010
Audi S12010
Audi S32010
Audi S52010
Audi S62010
Audi S72010
Audi TTRS2010
Audi TTS2010
BMW 325IA2010
BMW 116i2010
BMW 118i2010
BMW 120i2010
BMW 125i2010
BMW 130i2010
BMW 135i2010
BMW 220i2010
BMW 316i2010
BMW 318i2010
BMW 320i2010
BMW 328i2010
BMW 335i2010
BMW 420i2010
BMW 428i2010
BMW 430i2010
BMW 535i2010
BMW 550i2010
BMW 650i2010
BMW 750i2010
BMW M 135i2010
BMW M32010
BMW M52010
BMW M62010
BMW X12010
BMW X32010
BMW X42010
BMW X52010
BMW X62010
BMW i32010
BMW i82010
BYD E62016
Chery A32013
Chery A3162013
Chery A62013
Chery Arrizo2010
Chery Celer Sedan2016
Chery Cielo Sedan2016
Chery Tiggo2013
Chrysler 300C2010
Chrysler PT Cruiser2013
Chrysler Town and Country2010
Citröen Aircross2010
Citröen C42013
Citröen C4 Lounge2010
Citröen C4 Pallas2010
Citröen C4 Picasso2013
Citröen C52010
Citröen C5 Tourer2010
Citröen DS52010
Citröen Elyse2010
Citröen Grand C42010
Citröen Xsara Picasso2016
Dodge Caravan2010
Dodge Dodge Ram2010
Dodge Durango2010
Dodge Journey2010
Fiat Bravo2016
Fiat Cronos2010
Fiat Doblò2013
Fiat Freemont2010
Fiat Grand Siena2019
Fiat Idea2016
Fiat Linea2010
Fiat Palio Weekend2016
Fiat Toro2010
FordKa Sedan2019
Ford EcoSport2013
Ford Edge2010
Ford Focus2016
Ford Focus Sedan2013
Ford Fusion2010
Ford Mondeo2010
Ford New Fiesta Sedan2016
Ford Ranger2010
Geely EC72010
GM – Chevrolet Equinox2010
GM – Chevrolet Astra2016
GM – Chevrolet Captiva2010
GM – Chevrolet Cobalt2016
GM – Chevrolet Cruze2010
GM – Chevrolet Cruze Hatch2013
GM – Chevrolet Cruze Sedan2010
GM – Chevrolet Impala2013
GM – Chevrolet Malibu2010
GM – Chevrolet Meriva2016
GM – Chevrolet Opala2013
GM – Chevrolet Prisma2018
GM – Chevrolet S102013
GM – Chevrolet Sonic Sedan2016
GM – Chevrolet Spin2010
GM – Chevrolet Tracker2013
GM – Chevrolet Trail Blazer2013
GM – Chevrolet Vectra GT2016
GM – Chevrolet Vectra Sedan2013
GM – Chevrolet Volt2010
GM – Chevrolet Zafira2016
Honda Accord2010
Honda CR-V2010
Honda City2010
Honda Civic2010
Honda Fit2016
Honda HR-V2010
Honda WR-V2010
Hyundai HB20S2018
Hyundai Azera2010
Hyundai Creta2010
Hyundai Elantra2010
Hyundai Genesis2010
Hyundai Grand Santa Fé2010
Hyundai HB20 Sedan2018
Hyundai Santa Fé2010
Hyundai Sonata2010
Hyundai Tucson2010
Hyundai Vera Cruz2010
Hyundai i302016
Hyundai ix352010
JAC J52013
JAC J62013
JAC S32010
JAC S52010
JAC T402010
JAC T52010
JAC T502010
JAC T62010
Jaguar F-Pace2010
Jaguar F-Pace Prestige2010
Jaguar XE2010
Jaguar XF2010
Jaguar XFR2010
Jaguar XJ2010
Jeep Cherokee2010
Jeep Compass2010
Jeep Grand Cherokee2010
Jeep Renegade2010
Jeep Wrangler2013
JonwayA3802013
Kia Cadenza2010
Kia Carens2013
Kia Carnival2013
Kia Cerato2010
Kia Grand Carnival2013
Kia Magentis2010
Kia Mohave2010
Kia Optima2010
Kia Quoris2010
Kia Sorento2010
Kia Soul2013
Kia Sportage2010
Land Rover Discovery2010
Land Rover Freelander2010
Land Rover Range Rover2010
LandwindX52010
LandwindX62010
LandwindX82010
Lexus ES 3502010
Lexus CT200h2010
Lexus IS2010
Lexus LS2010
Lexus NX-200t2010
Lexus RX2010
Lifan 5302016
Lifan 6202010
Lifan X602010
Mahindra SUV2010
Mahindra Scorpio2010
Mercedes-Benz 180 B2010
Mercedes-Benz 2122010
Mercedes-Benz A1602010
Mercedes-Benz A2002010
Mercedes-Benz C1802010
Mercedes-Benz C2002010
Mercedes-Benz C2502010
Mercedes-Benz C2802010
Mercedes-Benz C3002010
Mercedes-Benz C3502010
Mercedes-Benz C432010
Mercedes-Benz C4502010
Mercedes-Benz C632010
Mercedes-Benz CLA 1802010
Mercedes-Benz CLA2002010
Mercedes-Benz CLA2502010
Mercedes-Benz CLA452010
Mercedes-Benz CLS3502010
Mercedes-Benz CLS4002010
Mercedes-Benz CLS632010
Mercedes-Benz Classe B2010
Mercedes-Benz Classe R 500 L2010
Mercedes-Benz E2202010
Mercedes-Benz E2502010
Mercedes-Benz E2702010
Mercedes-Benz E3502010
Mercedes-Benz E4002010
Mercedes-Benz E5002010
Mercedes-Benz E632010
Mercedes-Benz G552010
Mercedes-Benz G632010
Mercedes-Benz GLA 2502010
Mercedes-Benz GLA 452010
Mercedes-Benz GLC 2502010
Mercedes-Benz GLC 432010
Mercedes-Benz GLE 3502010
Mercedes-Benz GLE 4002010
Mercedes-Benz GLE 432010
Mercedes-Benz GLE 4502010
Mercedes-Benz GLE 632010
Mercedes-Benz GLK 2202010
Mercedes-Benz GLK 3002010
Mercedes-Benz GLS 3502010
Mercedes-Benz GLS 5002010
Mercedes-Benz ML2010
Mercedes-Benz Outras2010
Mercedes-Benz S500L2010
Mercedes-Benz S600L2010
Mercedes-Benz S63L2010
Mercedes-Benz S652010
Mercedes-Benz Viano2010
Mercedes-Benz Vito2010
MG 5502013
MG MG62010
Mitsubishi ASX2010
Mitsubishi Eclipse2010
Mitsubishi L 200 Triton2010
Mitsubishi Lancer2013
Mitsubishi Outlander2010
Mitsubishi Outlander Phev2010
Mitsubishi Pajero2010
Mitsubishi Triton2010
Nissan Altima2010
Nissan Frontier2010
Nissan Grand Livina2010
Nissan Kicks2013
Nissan Livina2010
Nissan Sentra2010
Nissan Tiida2016
Nissan Versa2015
Nissan XTerra2010
Peugeot 20082010
Peugeot 30082010
Peugeot 3072016
Peugeot 307 Hatch2016
Peugeot 307 Sedan2013
Peugeot 3082013
Peugeot 40082010
Peugeot 4062016
Peugeot 4072013
Peugeot 4082010
Peugeot 5008 Allure2010
Peugeot 5082010
Peugeot Allurethpa2016
Porsche Cayenne2010
Porsche Macan2010
Porsche Panamera2010
RAMLaramie2010
RenaultLogan2019
Renault Captur2013
Renault Duster2010
Renault Duster Oroch2010
Renault Fluence2010
Renault Megane2013
Renault Megane Sedan2016
Renault Scenic2013
Rolls-Royce Ghost2010
Rolls-Royce Phantom2010
Ssangyong Actyon2013
Ssangyong Korando2013
Ssangyong Kyron2013
Ssangyong Rexton2013
Subaru Forester2010
Subaru Impreza2013
Subaru Legacy2013
Subaru Tribeca2010
Subaru XV2016
Suzuki Grand Vitara2010
Suzuki S-Cross2010
Suzuki SX42016
Suzuki Vitara2010
Toyota Auris2016
Toyota Avensis2010
Toyota Camry2010
Toyota Corolla2010
Toyota Fielder2010
Toyota Hilux2010
Toyota Hilux SW42010
Toyota Prius2013
Toyota Rav42010
Toyota Yaris Sedan2013
Volvo C302010
Volvo S402010
Volvo S602010
Volvo V402010
Volvo V502010
Volvo V602010
Volvo V702010
Volvo XC 402010
Volvo XC 602010
Volvo XC 902010
VWVoyage2019
VW T Cross2019
VW Amarok2010
VW Bora2013
VW CC2010
VW Caddy Maxi 72016
VW Golf2016
VW Jetta2010
VW Passat2010
VW Polo Sedan2016
VW Santana2013
VW Sharan2010
VW SpaceCross2016
VW SpaceFox2016
VW Tiguan2010
VW Touareg2010
VW Touran2013
VW Virtus2010

As 10 principais regulamentações de apps transporte no Brasil

A Lei 13.640 permitiu que os municípios realizassem suas próprias regulamentações, por isso, separamos o que as principais cidades do Brasil decidiram.

Os aplicativos de transporte no Brasil foram regulamentados em meados de 2018 por um projeto de lei da câmara dos deputados, a famosa PLC 28.

É fato que a lei criou diretrizes nacionais para o uso do transporte por aplicativo, como obrigatoriedade de Carteira B ou superior, características do veículo, certificado de registro e licenciamento do veículo, além dos antecedentes criminais de motoristas. 

Porém, o principal ponto da lei foi a liberação para que os municípios e o Distrito Federal definam suas próprias regulamentações de acordo com as peculiaridades locais.

O que não pode acontecer, como o Supremo Tribunal Federal decidiu tempos depois, é a proibição ou limitação do serviço.

Hoje, pegamos as dez principais cidades do país para te mostrar qual é e como funciona a regulamentação de cada uma delas.

São Paulo

Em São Paulo, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pela Resolução 21 do Comitê Municipal de Uso do Viário (CMUV).

As exigências são:

  • Apenas carros com placas da cidade de São Paulo podem realizar corridas no município;
  • Todos os veículos precisam usar, obrigatoriamente, adesivo de identificação da Uber;
  • Motoristas precisam obter o Cadastro Municipal de Condutores – CONDUAPP;
  • Motoristas precisam obter o Certificado de Segurança dos Veículos de Aplicativo – CSVAPP;
  • Os veículos precisam possuir, no máximo, oito anos de fabricação e precisam estar em dia com a vistoria veicular.

Até o momento de publicação deste blog post, a Uber mantém uma liminar que permite que carros com emplacamento de outras cidades atuem na cidade de São Paulo.

Rio de Janeiro

Já no Rio de Janeiro, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pelo Decreto 46.417, de 29 de agosto de 2019.

Ele regulamenta a profissão exercida por motoristas das Provedoras de Rede de Compartilhamento (Prover). O Decreto diz que:

  • Não é permitido aglomerar veículos em filas de espera ou formação de pontos;
  • Os motoristas não podem embarcar passageiros em locais destinados aos táxis;
  • É obrigatório o transporte de cão guia, cadeiras de rodas, carrinhos de bebê ou qualquer outro acessório de locomoção;
  • O motorista não pode parar para abastecer com o passageiro dentro do veículo;
  • Só veículos com quatro portas e ar-condicionado podem oferecer o serviço de transporte;
  • O motorista precisa passar por curso de formação de 40h reconhecido pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), além de apresentar à mesma o certificado de antecedentes criminais;
  • É proibido o acesso pelos corredores reservados à circulação de transporte público.

Brasília

Em Brasília, a regulamentação dos apps de transporte como Uber e 99 é definida pela Lei 5691. As exigências são:

  • Os veículos à gasolina, álcool ou qualquer combustível fóssil devem ter idade máxima de cinco anos. Já para os elétricos, híbridos ou adaptados, o limite máximo é de oito anos;
  • O carro precisa ser licenciado no Distrito Federal, além de possuir, pelo menos, quatro portas, ar-condicionado, banco de couro e capacidade máxima para sete pessoas;
  • O carro precisa, ainda, possuir seguro de acidentes pessoais com cobertura mínima de R$50 mil por passageiro;
  • Os motoristas não podem utilizar vagas ou pontos destinados ao táxi.

Salvador

O serviços de aplicativos de transporte é regulamentado em Salvador pela Lei 9488/2019. Ela exige:

  • A necessidade do Certificado Anual de Autorização (CAA);
  • Que o carro possua adesivo ou logotipo que possa identificá-lo como prestador de serviços da empresa de transporte;
  • Que a empresa apresente comprovante de inscrição no Cadastro de Contribuintes Municipal, além de estar regularizada com a Seguridade Social;
  • Que os veículos tenham, no máximo, oito anos, além de seguro de acidentes pessoais com cobertura mínima de R$50 mil por passageiro, quatro portas, ar-condicionado e capacidade máxima para sete pessoas;
  • Que o motorista apresente Certificado de Segurança Veicular;
  • Que os veículos passem por vistoria técnica.

Fortaleza

Em Fortaleza, a regulamentação dos aplicativos de transporte é definida pela Lei 10751, de 8 de junho de 2018. As exigências são:

  • Credenciamento na Plataforma Digital de Transporte;
  • Pagamento do “Preço Público” equivalente a 2% do valor total de cada corrida;
  • Contratação de Seguro de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT);
  • Conclusão de curso exigido pelo CONTRAN;
  • O veículo precisa ter idade máxima de oito anos e ter adesivo de identificação do aplicativo.

Belo Horizonte

Em Belo Horizonte, a regulamentação foi oficializada pela Lei 11.185, de 13 de agosto de 2019. Ela diz que:

  • Viagens coletivas (como o Uber Juntos e 99 Compartilha) não são permitidas;
  • As corridas só podem ser feitas via app. Os motoristas não podem se concentrar em casas de show, aeroportos, terminais rodoviários, shoppings ou supermercados;
  • É obrigatório obter APP e DPVAT;
  • A capacidade máxima dos carros é de quatro passageiros;
  • Os motoristas precisam apresentar credencial de Motorista de Transporte Individual Privado, emitido pelo BHTrans, além de aprovação em cursos de prestação de serviço de transporte de passageiros.

Manaus

Em Manaus, a Lei municipal 2486/2019 regulamenta a atividade. As exigências estabelecidas são:

  • O motorista precisa possuir CNH na categoria B ou superior, com informação de que exerce atividade remunerada;
  • Ser contribuinte do INSS ou MEI;
  • Os veículos precisam ter, no máximo, dez anos de fabricação. Contudo, precisam ter, no máximo, oito anos a partir do ingresso no CRLV;
  • A capacidade máxima do carro precisa ser de sete passageiros;
  • Os carros inclusivos precisam dispor de identificação de veículo acessível, além de oferecer sinal sonoro, visual e tátil indicando origem e destino da viagem.

Curitiba

Na cidade de Curitiba, o responsável pela regulamentação da atividade é o Decreto 1302, de 18 de julho de 2017. Ele aborda os seguintes pontos:

  • É obrigatório o pagamento do “preço público”. Este é variável e depende da distância percorrida em cada corrida;
  • O carro precisa ter alguma identificação da empresa a qual o motorista é parceiro;
  • O carro precisa ter, no máximo, sete anos de fabricação. No caso de veículos elétricos, híbridos ou adaptados, o prazo é de oito anos;
  • A capacidade máxima do carro deve ser de sete passageiros;
  • Os motoristas não podem estacionar em pontos destinados a taxistas.

Recife

Já na cidade de Recife, é a Lei 18.528/2018 que regula a atividade de aplicativos de transporte. Confira as obrigatoriedades:

  • As empresas que decidirem atuar na cidade precisam, obrigatoriamente, ser credenciadas no município, junto a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano de Recife (CTTU);
  • A empresa precisa, ainda, pagar uma taxa à cidade. O percentual é cobrado por cada viagem realizada. De 1 a 10 mil veículos cadastrados, é tarifado 1% do valor, de 10.001 a 20 mil veículos, 1,5%. De 20 mil veículos em diante, o valor é de 2%;
  • Os motoristas precisam andar com comprovante de residência com data de emissão inferior a 60 dias, além de possuírem CNH na categoria B ou superior, informando o exercício de atividade remunerada;
  • É responsabilidade dos motoristas também realizar e apresentar certificado de aprovação em curso de condutores, além de relatório regular de pontuação emitido pelo DETRAN;
  • O veículo deve possuir, no máximo, nove anos de fabricação e ter capacidade para sete pessoas;
  • Os carros precisam apresentar emplacamento de qualquer município de Pernambuco.

Goiânia

Desde 2017, o Decreto 2.890/2017 está em vigor na cidade. Ele garante a regulamentação da atividade na cidade, com as seguintes exigências:

  • As empresas precisam pagar o “preço público”, que equivale a 1% da receita bruta das corridas;
  • O motorista precisa se cadastrar no Cadastro Municipal de Condutores (caso ele trabalhe para mais de uma empresa, basta ter apenas um cadastro);
  • O motorista precisa ter CNH categoria B ou superior, além da informação de que exerce atividade remunerada;
  • O motorista precisa se cadastrar no Cadastro de Atividade Econômica, além de ter certidão negativa de antecedentes criminais;
  • Todos os carros precisam ter identificação da empresa a qual prestam serviços;
  • A idade máxima permitida para os carros é de oito anos;
  • Os veículos precisam possuir CRLV, APP e DPVAT.

Franquia ou filial: vantagens e desvantagens

Franquias e filiais são duas formas de expandir seu app de transporte ou de entregas. Por isso, vamos entender as vantagens e desvantagens de cada modelo.

Há algumas semanas, falamos aqui no blog como funciona o processo de criação de franquias ou filiais dos apps gerados com a tecnologia da Machine.

Esse é um interessante movimento de expansão de um aplicativo de transporte ou de entregas.

Como sempre gostamos de lembrar, ao fechar negócio com a gente, o empreendedor ganha o direito de atuar em uma determinada cidade. 

Agora, caso ele queira atender outras cidades da região, é necessário adquirir o chamado adicional.

No entanto, esse modelo não permite que o gestor configure tarifas diferentes em cada local. Para isso, é necessário a abertura de uma franquia ou filial.

Por isso, vamos explicar hoje a diferença entre esses dois modelos, suas vantagens e desvantagens.

Afinal de contas, cabe ao gestor avaliar qual é o melhor caminho para o seu app.

Franquias

As franquias são uma extensão do estabelecimento, que não dependem totalmente da matriz. 

Em uma expansão via franquia, o dono do aplicativo vende os direitos da marca e o uso dela para outros empreendedores, os franqueados. 

Mas, mesmo nesse cenário, não é permitido descaracterizar a marca. É obrigatório seguir os padrões, políticas e respeitar a identidade visual da empresa.

Esse modelo de negócio é regulamentado pela Lei 8.955/94, conhecida como “Lei de Franquias”, ela caracteriza as franquias como: “o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício.

Pequenas e grandes empresas de diversos segmentos trabalham com franquias.

No início de 2020, a Associação Brasileira de Franchising (ABF), divulgou as maiores franquias do Brasil no ano anterior. As dez principais são, em ordem:

  • O Boticário;
  • McDonald’s;
  • AM/PM;
  • Cacau Show;
  • Subway;
  • Acquio;
  • Lubrax+;
  • Kumon;
  • Jet Oil;
  • CVC Brasil.

Assim que assina o contrato, o franqueado precisa pagar um valor chamado “taxa de franquia”. Esse valor é pago no ato da compra, apenas uma vez e é referente ao direito de uso da marca.

Mas não são todas as empresas que trabalham com este tipo de cobrança. Há, ainda, a “taxa de royalties”. Diferente da primeira, essa é cobrada mensalmente.

Se o franqueador não fornecer produtos ao franqueado, a taxa costuma variar entre 4% e 10% do faturamento bruto. Mas, se ele fornecer, o valor aumenta e gira em torno de 20% e 40%. 

Vantagens

Para o franqueado, um dos pontos mais vantajosos é ter um nome já conhecido no mercado.

Afinal, para qualquer novo empreendedor, começar um negócio do zero significa construir credibilidade, reconhecimento e espaço no mercado.

Quando se trabalha com uma marca reconhecida, já se larga alguns degraus à frente.

No caso das franquias, os custos com publicidade, por exemplo, são divididos entre todos os franqueados da rede, o que torna o investimento menor. 

Na maioria das vezes, os franqueados já recebem da matriz um plano de negócios — para seguir as diretrizes da marca. Para o pequeno empresário, esse auxílio no planejamento é um fator-chave para o sucesso do empreendimento.

Desvantagens

O maior ponto de inconveniência é a falta de flexibilidade no negócio — mesmo na franquia. Para garantir que as diretrizes e normas da empresa sejam seguidas, as operações de filiados e franqueados serão sempre fiscalizadas e controladas.

O potencial de inovação também é extremamente limitado. Mesmo que o empreendedor enxergue uma solução que pode ser muito vantajosa para o negócio, ele precisa seguir os mesmos produtos, serviços e estruturas operacionais da matriz. O máximo de liberdade, nesse sentido, é a apresentação da ideia. Mas ela não pode ser implementada sem aprovação da empresa.

Além disso, a localização do estabelecimento não é uma escolha livre do empreendedor. Ele pode, apenas, sugerir locais. E estes podem ou não ser aceitos pela matriz. 

Filiais

As filiais são os estabelecimentos ou negócios que estão diretamente ligados à empresa matriz. Para que elas existam, é necessário investimento do gestor da matriz.

Assim, os lucros — e também os prejuízos — ficam por conta da matriz. Nesse caso, a empresa não cede os direitos de uso a terceiros, como no caso das franquias. Nesse caso, a matriz tem poder, por exemplo, de fechar a filial, se assim desejar. 

Empresas como Coca-Cola, Fiat e Sony trabalham com filiais. 

Vantagens

Assim como no caso das franquias, a empresa não está começando do zero. A filial geralmente é aberta porque a empresa está em expansão. Ser uma marca reconhecida no mercado já é um passo à frente nesta caminhada. 

Com uma boa administração, é possível aumentar consideravelmente o faturamento da matriz.

Desde o ano passado, as empresas podem abrir filiais em outros estados instantaneamente no Brasil. Isso porque a integração digital das juntas comerciais possibilitou que o processo fosse feito online e em minutos, facilitando a vida do empreendedor.

Desvantagens

Diferente da franquia, quando um terceiro compra os direitos de uso da empresa, a abertura da filial é um processo da matriz. Na maioria dos casos, abre-se uma filial quando a marca está em expansão ou quando se pretende alcançar um público maior.

Nesse cenário, a filial segue sendo uma responsabilidade da empresa matriz.

Muita atenção será disponibilizada para esta “empresa filha”, o que pode ser algo desvantajoso neste primeiro momento.

Categorias Cabify: conheça cada uma delas

A Cabify costuma correr por fora na disputa entre Uber e 99, mas foi uma das pioneiras no Brasil, por isso, vamos conhecer suas categorias.

Desde que chegou no Brasil, a Cabify sempre deixou bem claro que seu maior objetivo não era concorrer com a Uber e a 99.

Enquanto essas duas fazem uma feroz disputa por preços e buscam atender o máximo de cidades possíveis, a Cabify apresenta um serviço mais premium e, atualmente, está presente em apenas 8 municípios do país:

  • Belo Horizonte;
  • Brasília;
  • Campinas;
  • Curitiba;
  • Porto Alegre;
  • Rio de Janeiro;
  • Santos;
  • São Paulo.

Além disso, ao contrário de suas concorrentes no Brasil, a Cabify oferece pouca variedade de categorias.

Não criou uma categoria de corridas de baixo custo durante períodos de baixa demanda, como a Poupa e a Promo, e nem possui adicionais para porta-malas grande, como a Bag.

Assim, a Cabify busca atender a um nicho mais específico, de pessoas que desejam um serviço de maior conforto e que estão dispostas a pagar um preço maior por isso.

Hoje, vamos falar de cada uma das categorias oferecidas pelo app espanhol.

Cabify

A categoria padrão da Cabify é a homônima do próprio app.

A categoria Cabify já foi nomeada de Lite e Essencial, até finalmente receber o nome da empresa.

Assim como a UberX e a 99Pop, a Cabify é a categoria que oferece os menores preços, mesmo eles sendo, em média, mais elevados do que o de suas concorrentes.

Por exemplo, em São Paulo, uma corrida do Estádio do Pacaembu ao Estádio do Morumbi sai por volta de R$27,19 na Cabify.

Já na 99, o preço é de R$24,50 e na Uber R$25,43.

Comfort

A categoria Comfort é a versão mais Premium da Cabify.

Ela oferece carros mais espaçosos e tarifas mais elevadas do que a categoria padrão.

Por exemplo, se o preço da corrida na categoria Cabify entre o Estádio do Pacaembu e do Morumbi estava em R$27,19, na categoria Comfort, essa tarifa passa a ser R$34,24.

Taxi

Em 2017, a Cabify e a Easy Taxi anunciaram uma fusão e o app espanhol passou a oferecer serviços de táxi.

Em 2019, a Easy foi totalmente incorporada à Cabify, ano em que o seu app original deixou de existir.

Atualmente, em algumas cidades, como São Paulo, a Cabify oferece duas opções de serviços de táxi. A Categoria Táxi e Táxi -25%.

Como o nome já indica, essa última oferece os serviços dos taxistas com desconto. A empresa não especifica a diferença, mas é provável que o tempo de espera da categoria -25% seja maior.

Vale lembrar que no Táxi, ao contrário do transporte com carro particular, o passageiro recebe uma estimativa e o valor final será de acordo com o que aparecer no taxímetro.

Entregas

Por fim, assim como a 99 e a Uber, a Cabify também lançou durante a pandemia sua categoria de entregas de itens pessoais.

Os itens são transportados dentro do porta-malas dos veículos e, por isso, a capacidade máxima do objeto vai variar. No entanto, é expressamente proibido o transporte de:

  • Mercadorias proibidas; 
  • Animais;
  • Mercadorias suspeitas; 
  • Mercadorias declaradas perigosas (líquido corrosivo, material inflamável, etc.);
  • Produtos alimentares não embalados.

Caso o profissional entenda que o objeto não segue as orientações, ele pode recusar o serviço.

O tempo de espera do motorista-entregador é de 10 minutos, tanto na retirada quanto na entrega.

Todo processo pode ser acompanhado dentro do aplicativo, mas, vale lembrar que a Cabify não se responsabiliza pelo conteúdo do pacote.

Como funciona o pagamento com cartão no app?

Os clientes dos aplicativos gerados com a tecnologia da Machine conseguem pagar o serviço diretamente pelo app com o cartão.

As formas de pagamento são um item essencial no mercado dos apps de entregas e transporte.

Se você acompanha nosso blog, já sabe disso.

Atualmente, os aplicativos gerados com a tecnologia da Machine, podem oferecer aos seus clientes cinco formas de pagamento:

  • Dinheiro;
  • Cartão na maquininha;
  • Voucher eletrônico ou manual;
  • Wappa;
  • Cartão no app.

No Brasil, o dinheiro é a forma de pagamento favorita.

Na 99, por exemplo, 70% das corridas são pagas em dinheiro.

Já a Uber, foi “obrigada” a inserir a opção de pagamento em dinheiro, o que não é feito em muitos países, mas que por essa característica do brasileiro, se tornou inevitável por aqui.

Mas, é fato que os apps trabalham para diminuir a dependência do dinheiro, que além de trazer insegurança para os motoristas, em época de coronavírus, pode ser um foco de disseminação.

A Uber possui o Uber Cash, já a 99 tem sua própria carteira digital, a 99Pay.

Porém, o uso do cartão no app é a forma mais tradicional de evitar o pagamento em dinheiro.

Na Machine, os aplicativos gerados com nossa tecnologia também podem oferecer aos seus passageiros e clientes, a opção de pagar pelo serviço direto no aplicativo com o cartão.

Como funciona o cartão no app da Machine?

O cartão no app nasceu para garantir segurança e comodidade para clientes, motoristas e entregadores dos apps gerados com nossa tecnologia.

Com essa funcionalidade, o cliente paga direto no aplicativo, de forma totalmente virtual, ou seja, sem precisar ter contato físico com cédulas ou cartões.

Atualmente, a empresa pode escolher 3 formas de repassar o dinheiro pago pelo serviço:

  • Direto para o motorista/entregador, desde que a conta cadastrada esteja no nome dele;
  • Para a empresa, desde que a conta cadastrada esteja no CNPJ dela;
  • Dividido entre os dois, definindo o percentual que vai para a empresa.

Os aplicativos que desejam dar essa opção para seus clientes, devem informar a nossa equipe de suporte.

Então, enviamos um formulário para o gestor. Ele deve preenchê-lo corretamente com todas as informações pedidas.

Após devolução do formulário, temos até 7 dias úteis para enviá-lo para a empresa responsável pelas transações com cartão.

Essa empresa vai realizar uma validação dos documentos do aplicativo e dos sócios, podendo habilitar ou não o cartão no app.

Como todo o processo é realizado por essa empresa, não temos controle sobre os prazos e critérios de validação.

No entanto, podemos repassar os status que a empresa nos encaminha sobre a validação do cartão, que são os seguintes:

  • Pendente: documentação em avaliação;
  • Habilitado: aplicativo está autorizado a oferecer pagamento com cartão no app;
  • Negado: aplicativo não está autorizado a oferecer pagamento com cartão no app;
  • Inativo: aplicativo está inativado, pois a empresa detectou alto índice de operações com suspeitas de fraude.

Taxas e Saldo Virtual

Atualmente, o aplicativo pode escolher duas opções de taxas para o recebimento do dinheiro no cartão no app.

Caso o gestor queira receber o dinheiro no dia seguinte, a taxa é de 7,49% em cima do valor das corridas.

Já para os gestores que aceitam receber em 30 dias, a taxa vai para 4,99%.

Assim, quando uma corrida é finalizada, o dinheiro vai para o Saldo Virtual da empresa, após o prazo acordado.

O controle dos pagamentos fica em uma aba na plataforma de gestão do aplicativo.

No Painel de controle são apresentados dados resumidos das transações, do saldo do aplicativo e do extrato.

Já na aba Transações, o gestor consegue filtrar a situação de cada serviço pago com cartão no app.

  • Paga: valor debitado do cartão do cliente;
  • Recusada: operação recusada pelo banco;
  • Estornada: o aplicativo devolveu o dinheiro para o cliente;
  • Chargeback: o valor foi contestado pelo cliente ou pelo banco e está bloqueado até a resolução do problema.

Por fim, a aba pagamentos indica a disponibilidade dos valores no Saldo da Central, consultando os três últimos dias, o dia atual e os dois anteriores.

A transferência acontece de forma automática, ou seja, assim que o valor estiver disponível para o saque, o dinheiro será enviado para a conta do app ou do motorista/entregador, de acordo com o que você definiu.

Bandeiras aceitas

Atualmente, os clientes dos aplicativos gerados com nossa tecnologia, podem pagar usando as seguintes bandeiras de cartão:

  • Visa (crédito);
  • Mastercard (crédito);
  • Amex (crédito);
  • Hipercard (crédito);
  • Discover (crédito);
  • JCB (crédito);
  • Aura (crédito);
  • Elo (crédito).

Exigências para os aplicativos

  • CNPJ;
  • Conta corrente vinculada ao CNPJ do aplicativo;
  • Código Nacional de Atividade Econômica (CNAE) de CNPJ direcionado para o ramo de transportes e/ou de tecnologia.