E-mail Marketing: 5 ferramentas para empresas de transporte e entregas

Quer enviar e-mails para seus colaboradores e clientes? Conheça 5 ferramentas de e-mail marketing que podem ajudar sua empresa.

No momento em que vivemos, manter uma relação contínua com o seu cliente de forma online se tornou não só importante, mas essencial para o seu negócio, uma boa técnica para criar uma relação estável entre ambos é o e-mail marketing. 

O e-mail marketing é uma excelente forma para qualquer empresa se relacionar com a audiência de forma personalizada. Além de manter a nutrição de informações, o e-mail marketing é uma ótima opção para uma comunicação simples e efetiva.

Aliás, há algumas semanas, publicamos 3 modelos de e-mail para enviar a passageiros e motoristas.

Mesmo com o boom das redes sociais como forma de contato imediato, os e-mails, quando utilizados de maneira correta, servem como uma forma de contato mais profunda e menos invasiva. A ideia não é fazer o cliente se cansar, não é mesmo?!

As vantagens do e-mail marketing são muitas, como: 

  • Segmentar seus contatos: para ter controle total do público que irá receber seus e-mails;
  • Criar layouts eficientes: para ajudar na criação do design de seus e-mails e criar templates replicáveis;
  • Automatizar o disparo de suas campanhas: para ganhar produtividade e eficiência no envio de e-mails;
  • Acompanhar o desempenho dos disparos: para ver quantas aberturas e cliques tiveram suas campanhas, entre outras estatísticas.

Mas você deve estar querendo saber quais as melhores opções do mercado, não é mesmo?

Por isso, trouxemos 5 dicas de ferramentas de e-mail marketing para o seu negócio. 

RD Station Marketing

É uma plataforma com diversas opções para otimizar seus resultados nas plataformas digitais. Você pode automatizar e gerenciar suas ações de Marketing Digital, indo muito além do E-mail Marketing tradicional.

Com mais de 17 mil clientes em mais de 20 países, o RD Station é a ferramenta líder de mercado no Brasil, segundo o B2B Stack.

Na funcionalidade “E-mail Marketing” você cria campanhas de e-mail com editor, tem acesso a diferentes modelos de e-mail, possibilidades de segmentação e um relatório completo de desempenho.

A RD possui diversos planos de preço e proporciona um teste gratuito para seus clientes. Para mais informações, acesse rdstation.com/precos.

MailChimp 

É uma das ferramentas mais utilizadas do mercado. Ela possui planos gratuitos e pagos. Você poderá optar pelo que mais se encaixar no seu perfil. Suas funcionalidades permitem configurar layouts de e-mails, segmentar listas de contatos, automatizar disparos e integrar com outros serviços de redes.

Sua proposta é ser simples, barata e voltada para os pequenos negócios. A partir de 2017, o Mailchimp passou a agregar outros canais, como Instagram, Facebook, Google Ads, páginas de captura e muito mais.

Seus principais recursos incluem ferramentas de CRM, criação de listas de públicos, personalização de e-mails, testes A/B para e-mail marketing, entre muitos outros. A disponibilidade desses recursos depende do plano assinado.

A MailChimp conta com versões gratuitas e pagas. O custo varia conforme o limite de contatos, de envios por mês e as funcionalidades disponíveis. Os planos anuais vão desde o gratuito e o de U$ 9,99/mês até planos mais complexos, como o premium de U$ 299/mês. Para mais informações e compra, acesse o link.

Locaweb

A diferença do Locaweb é ser uma plataforma que sugere ideias para as datas comemorativas. A ferramenta de e-mail marketing te oferece um calendário com as principais oportunidades, layouts especiais e, assim, você não esquece de jeito nenhum de enviar os e-mails, já que pode programar seus disparos.

Ela também conta com um criador de e-mails que permite diversas possibilidades. E o melhor é que você pode criar do zero, da forma que desejar, ou utilizar um dos modelos prontos se quiser mais rapidez.

Ele também monta suas listas de clientes por tipo de comportamento, criando assim segmentações mais precisas. Seu valor é de R$33 a R$110/mês de acordo com o plano de vantagens escolhido.

Para maiores informações acesse.

Salesforce ExactTarget 

A plataforma propõe uma combinação das ferramentas que permite que os profissionais de marketing se conectem diretamente com seus clientes através do aplicativo LINE.

A parceria da Salesforce ExactTarget permite que os profissionais de marketing tenham contato direto com seus clientes por meio de uma plataforma móvel de mensagens. Além de prever o envio de ofertas e alertas personalizados para um determinado cliente, seja por SMS, MMS, e-mail ou aplicativos.

As respostas personalizadas serão enviadas com base em dados gerenciados pela própria ExactTarget Marketing Cloud ou baseadas em um banco de dados da empresa. A Salesforce ExactTarget proporciona uma visão 360º do cliente, incluindo informações de engajamento e conversão de dados através da plataforma mobile.

São 4 planos disponíveis, os valores variam de acordo com as necessidades de cada cliente. Para mais informações, o link.

All In Mail

A All In Mail permite disparar grandes volumes de e-mails, analisar e segmentar bases de dados por meio de informações sobre o comportamento dos usuários online.

“Além dos tradicionais recursos já conhecidos, a All iN, plataforma brasileira líder em e-mail marketing, oferece mais de 30 features para inovar a comunicação, como teste ABCDE, criando até 5 opções de campanha e disparo para um grande volume de contas”, explica o site da plataforma.

Para mais informações sobre pacotes e preços, o site da empresa é de grande ajuda.

É importante lembrar que cada negócio tem as suas necessidades e particularidades.

Mais do que um grande aporte de facilidades, a análise para avaliação do que o seu negócio realmente precisa é essencial para o sucesso da estratégia.

WhatsApp Pay: o que é e como funciona?

O WhatsApp Pay é a ferramenta de pagamento do principal e mais utilizado aplicativo de mensagens do Brasil.

O WhatsApp se consolidou como o principal aplicativo de troca de mensagens do Brasil.

Atualmente, mais do que trocas de conversas informais, o app tornou-se um ambiente de trabalho, negócios e estudos.

Até já falamos por aqui sobre a função WhatsApp Business e como ela pode ser utilizada por empresas de entregas rápidas;

Fundado em 2010, o app já ultrapassou a marca de 2 bilhões de usuários ao redor do mundo e no Brasil conta com mais de 130 milhões de usuários ativos, estando instalado em 99% dos smartphones dos brasileiros.

A mais recente novidade (nem tanto assim) do aplicativo no Brasil é a função de pagamento, que pode revolucionar as forma com que pagamos e recebemos dinheiro de um serviço.

O que é o WhatsApp Pay?

A ferramenta é a ramificação do Facebook Pay, para o aplicativo de chat.

Com uma lógica semelhante ao Pix e ao PicPay, o WhatsApp Pay permite realizar transações diretamente entre bancos instantaneamente.

A diferença está justamente no fato dessas transações poderem ser feitas diretamente pelo chat, sem a necessidade de abrir qualquer outro aplicativo, nem mesmo o do banco.

Dessa forma, o aplicativo funciona como um intermediário seguro e eficiente entre as instituições bancárias, já que as transferências são feitas diretamente de uma conta para outra.

O recurso, aprovado pelo Banco Central do Brasil em 30 de Março deve estar disponível nas próximas atualizações do WhatsApp.

A funcionalidade será acessível tanto para transações nas conversas normais, quanto para negociações e pagamentos para as contas comerciais do WhatsApp Business, impulsionando a presença de negócios no mensageiro.

E o Facebook Pay?

O Facebook Pay é a ferramenta da empresa que permite compras dentro de seus aplicativos filiados.

Não é necessário ser usuário do Facebook para, por exemplo, realizar transações no WhatsApp.

Como utilizar?

Para poder enviar e receber dinheiro é necessário adicionar, uma única vez, um cartão com função débito, emitido por um dos bancos atualmente participantes:

  • Banco do Brasil (Visa)
  • Nubank (Mastercard)
  • Sicredi (Mastercard e Visa)
  • Woop, a conta digital da Sicredi (Visa)

Você também pode usar um cartão de crédito das bandeiras participantes para enviar pagamentos para empresas.

É importante ressaltar que por ser um serviço novo, ainda não há disponibilidade para todos os bancos ou bandeiras de cartão. Porém, a expectativa é que com tempo novas possibilidades sejam contempladas.

Para usar, é necessário ir em Configurações > Pagamentos > Facebook Pay.

Após aceitar os termos de uso e de privacidade necessários e completar o processo de verificação do cartão, seu WhatsApp Pay estará pronto para uso.

Para realizar as transferências, bastará abrir a conversa do contato escolhido, e selecionar as opções anexar > pagamentos.

Vale destacar que não há taxas adicionais e que a empresa responsável por realizar as transações é a já consolidada Cielo, que firmou parceria com o Grupo Facebook.

Além da estrutura e renome da Cielo, haverão medidas de segurança dentro do próprio aplicativo, como: detecção de fraude, PIN personalizado e a possibilidade do uso da biometria para confirmar a transações.

A expectativa é que devido a seu funcionamento simples e eficaz e ao grande uso do WhatsApp em solo brasileiro essa ferramenta conquiste rapidamente seu espaço com o público.

Dessa forma é recomendado que, se possível e necessário para o seu negócio, você disponibilize essa opção de pagamento para seus clientes.

Quando motoristas de aplicativo devem aceitar cães em seus veículos?

O transporte de cães pode gerar atrito entre motoristas e passageiros, mas há uma situação específica em que o motorista precisa aceitar esse tipo de viagem.

No último dia 2 de abril, nosso parceiro Fernando Floripa publicou em seu canal um vídeo sobre a indenização milionária que a Uber precisará pagar a uma passageira nos Estados Unidos.

O motivo? Por 14 vezes os motoristas da plataforma cancelaram a corrida da passageira, não por uma nota baixa ou por ela estar indo a uma região perigosa, mas sim por estar acompanhada de um cão-guia.

Segundo a matéria apresentada pelo Floripa e republicada por portais de notícias como o Uol, a passageira Lisa Irving deverá receber 1,1 milhão de dólares da Uber, cerca de 6,22 milhões de reais.

Apesar do processo ter analisado 14 casos, a passageira alega que viveu no mínimo 60 experiências como essa, inclusive uma ameaça de ser deixada no meio de uma rodovia movimentada.

A Uber chegou a alegar que por não ter vínculo empregatício com os motoristas, assim como no Brasil, não deveria ser responsabilizada por tal.

No entanto, o juiz do caso considerou a informação irrelevante e acatou a argumentação da advogada da passageira, que aponta que a Lei dos Americanos com Deficiência permite que cães-guias viajem sempre com seus donos.

O motorista precisa transportar um cão-guia no Brasil?

Sim, as leis brasileiras são bem claras quanto a obrigatoriedade do transporte do cão-guia.

Podemos analisar essa obrigatoriedade sob diversos ângulos.

Vamos começar trazendo um dos temas mais recentes que debatemos aqui no blog, a Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU).

Um dos grandes motes da Lei 12.587, que define as diretrizes da PNMU, é a acessibilidade e o acesso universal à cidade.

Dessa forma, impedir o transporte de um deficiente visual com seu cão-guia é um atentado direto a essa lei primordial para o setor.

Mas além disso, há uma outra lei federal, a de número 11.126, que garante o direito do deficiente visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado do seu cão-guia.

O artigo 1º dessa lei afirma que:

Art. 1º É assegurado à pessoa com deficiência visual acompanhada de cão-guia o direito de ingressar e de permanecer com o animal em todos os meios de transporte e em estabelecimentos abertos ao público, de uso público e privados de uso coletivo, desde que observadas as condições impostas por esta Lei.

Vale destacar que o artigo acima foi reescrito pela Lei 13.146, conhecida como Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

O que motoristas e donos de aplicativos de transporte devem fazer?

Para os motoristas de aplicativo não há atalho. Se aceitou a corrida, chegou ao local e identificou que o passageiro possui um cão-guia, ele deve realizar a viagem, não podendo cancelar por esse motivo específico.

Vale lembrar que os cães-guias são treinados e constantemente higienizados, por isso, são baixíssimas as chances do animal danificar o veículo do motorista.

No caso dos gestores de aplicativos, vale manter todos os motoristas avisados sobre a lei, compartilhar conteúdos e treinamentos sobre o assunto, além de apoiá-los em caso de algum contratempo.

O Plano Nacional de Mobilidade Urbana – Parte 2

Vamos continuar falando sobre o Plano Nacional de Mobilidade Urbana, nesta segunda parte do nosso conteúdo.

Esse artigo é a continuação de um outro texto do blog. Clique aqui para ler a parte 1.

Na parte 1 do artigo, explicamos o que é o Plano Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU) e qual é o seu impacto na sociedade como um todo.

Nesta parte, abordaremos mais especificamente a relação do PNMU com os serviços privados de mobilidade que surgiram posteriormente.

Serviços privados de mobilidade urbana

Como dito na primeira parte, a elaboração dos Planos de Mobilidade Urbana foi delegada aos Governos Municipais.

Porém a lei criada não trata somente do que é de posse pública.

O tráfego de pessoas e mercadorias já contava com a participação de serviços privados, muito antes da popularização dos aplicativos na área.

Na parte de entregas talvez tenhamos exemplos mais claros, já que essa atividade é comumente terceirizada há tempos, indo além do modal público (Correios).

No transporte de passageiros, tínhamos como principal referência os transportes fretados e o aluguel de veículos.

Porém, como geralmente se tratavam de contratações mais pontuais (em caso de viagens, por exemplo), não eram serviços assim tão relevantes na mobilidade urbana em geral.

Os serviços por aplicativo

Quando a lei 12.587, responsável pela criação do conceito do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, foi aprovada, em 2012, os aplicativos de transporte de passageiros e entregas ainda não eram realidade no Brasil.

Dessa forma, o texto original da lei era bem superficial em relação às definições de transporte privado.

Porém, em 2012, com a fundação da 99 e principalmente a partir de 2014 com a chegada da Uber ao Brasil, as estruturas desse mercado se alteraram drasticamente.

Um serviço que era, até então, visto como periódico e de preços altos, passou a ser parte do cotidiano e tornou-se acessível para grande parte da população, com o modelo disposto pelas gigantes do mercado.

Assim, quando essa modalidade de serviço se tornou parte do dia a dia, havia muitas dúvidas sobre sua regulamentação e seu papel na mobilidade urbana como um todo.

Na lei

A lei então passou por atualizações em 2018, com a aprovação da lei nº 13.640, que determinou que tais serviços devem ser integrados aos demais transportes e analisados como parte ativa da mobilidade urbana.

Veja a diferença entre o texto original do artigo 4º, inciso X e a atualização de 2018:

  • X – transporte motorizado privado: meio motorizado de transporte de passageiros utilizado para a realização de viagens individualizadas por intermédio de veículos particulares; (Original)
  • X – transporte remunerado privado individual de passageiros: serviço remunerado de transporte de passageiros, não aberto ao público, para a realização de viagens individualizadas ou compartilhadas solicitadas exclusivamente por usuários previamente cadastrados em aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede. (2018)

Vale ressaltar que, apesar do destaque e da regulamentação, o governo deve sempre priorizar a presença e funcionamento do transporte público coletivo acima do privado, conforme a lei.

Funcionamento

Os serviços privados de mobilidade de passageiros que já existiam, como os de frete citados anteriormente, ainda existem.

Porém, por não serem de uso cotidiano, perderam ainda mais espaço nos Planos de Mobilidade Urbana.

A regulamentação do que era novo também serviu para definir novos padrões do que é considerado uma atividade legal ou não na área.

As exigências para cumprimento da função agora são especificadas, como a necessidade de cadastro em aplicativos ou plataformas de comunicação em rede.

Essas medidas contribuem para a equidade entre os diferentes modais de transportes, permitindo, que como um todo, a mobilidade urbana evolua.

O Plano Nacional de Mobilidade Urbana – Parte 1

Saiba o que é o Plano Nacional de Mobilidade Urbana, seus principais pontos e como ele afeta os novos mercados da área.

O Plano Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU) foi uma medida criada pelo Governo Federal através da Lei 12.587 em 2012.

A lei estabelece diretrizes e princípios para o planejamento e desenvolvimento do transporte urbano, visando a melhoria dos serviços e infraestruturas que compõem o deslocamento da população e das cargas pelas cidades.

A execução do Plano foi delegada aos Poderes Municipais, com a proposta de universalizar e integrar o acesso a todas as áreas das cidades, conforme suas próprias realidades.

Permitindo um planejamento de curto, médio e longo prazo, a lei definiu um tempo limite para elaboração e aprovação do PNMU nas cidades:

  • Até 12 de abril de 2022, para Municípios com mais de 250.000 habitantes.
  • Até 12 de abril de 2023, para Municípios com até 250.000 habitantes.

Segundo a lei, no que consiste o Sistema de Mobilidade Urbana?

Como já mencionado, a Mobilidade Urbana é a condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano.

Dessa forma, temos um sistema de transporte urbano que é composto de:

  • Veículos motorizados e não motorizados.

Sendo eles:

  • De passageiros e de cargas.
  • Coletivos e individuais.
  • Públicos e privados.

Diretrizes do PNMU

Sendo um projeto determinado pelo governo do país e de incumbência dos municípios, é lógico que existem parâmetros pré-estabelecidos para que as cidades sigam na mesma direção, em questão de evolução.

Dentre as presentes no texto da lei, separamos as 3 de maior impacto na sociedade.

Acessibilidade

Todos os cidadãos devem ter autonomia nos deslocamentos que desejam fazer.

Ou seja: cabe ao governo criar e implantar formas e ferramentas que permitam o acesso irrestrito de pessoas, com qualquer tipo de limitação, a qualquer meio de transporte.

Ainda que possa parecer utópico, veremos cada vez mais ferramentas de adaptação e facilitação para pessoas com deficiências em geral nos transportes, afinal, se trata de um direito constitucional.

Eficiência, Eficácia e Efetividade

Em seguida temos a eficiência, eficácia e efetividade na prestação dos serviços de transporte urbano.

Os transportes devem ser oferecidos de forma a reduzir baldeações, e integrados ao ponto de reduzir os tempos de espera ao mínimo possível, seja pela maior frequência ou pelo maior número de opções disponíveis.

Além disso, todos os modais de transporte devem estar ao alcance de todos, não limitando nenhuma parte da população, a apenas alguns deles.

Participação Social

Finalmente, o controle social do planejamento e avaliação da Política Nacional de Mobilidade Urbana.

O cidadão deve ter sua voz ouvida. Suas demandas devem ser levadas em conta na elaboração e avaliação do Plano de Mobilidade Urbana.

Afinal, o cidadão é o mais impactado pelas propostas. Ele é o maior usuário e é quem pode avaliar o funcionamento cotidiano do Plano com maior propriedade.

Medidas Comuns

Ainda que a execução do PNMU seja feita de forma diferente para atender as diferentes necessidades de cada cidade, existem medidas comuns que podem ser vistas no cotidiano.

Medidas como criação de novas linhas de ônibus, integração entre diferentes tipos de modais e aumento da frequência de viagens realizadas pelos transportes, são mais comumente associadas ao PNMU.

Porém, a manutenção de estradas, rodovias e locais de embarque e desembarque, a presença de sinalização nas vias e no trânsito e até mesmo a criação de áreas reservadas ao estacionamentos de veículos são medidas que também devem ser consideradas pelo Plano.

Desenvolvimento Urbano

O Plano Nacional da Mobilidade Urbana vai além do âmbito de transportes em si. Está ligado diretamente a diversas questões do desenvolvimento urbano.

Ele incentiva o desenvolvimento científico-tecnológico e o uso de energias renováveis e menos poluentes aplicadas nos transportes.

Assim como incentiva o uso dos transportes não motorizados, como a bicicleta, para reduzir os impactos ambientais.

Também preza pela garantia de sustentabilidade econômica das redes de transporte público e pela manutenção de tarifas acessíveis.

E por fim, conforme colocado no artigo 7º; inciso I, preza pelo que pode ser interpretado como um dos seus principais objetivos:

I – reduzir as desigualdades e promover a inclusão social

Em breve, confira a parte 2 desse artigo, que trata da relação do PNMU com os aplicativos de mobilidade urbana, clicando aqui.

Como ensinar meu passageiro a favoritar o motorista?

Aplicativos de transporte gerados com a tecnologia da Machine podem dar ao passageiro a opção de favoritar o motorista.

Pergunte a qualquer passageiro de aplicativos de transporte: “Você já recebeu um atendimento tão bom de um motorista que gostaria de ser atendido por ele outras vezes?”.

Grandes serviços de aplicativos acabam priorizando a eficiência no atendimento e não a qualidade. Por isso, quando chamamos um motorista, é comum que os grandes apps busquem sempre aquele que vai atender ao passageiro mais rapidamente.

Porém, muitas vezes, o passageiro quer ter uma segurança maior e deseja ser transportado por um motorista já conhecido. Seja porque está com sua família, carregando objetos de valor ou indo para um evento especial.

Por isso, a opção de favoritar o motorista pode ser um bom diferencial para apps de transporte regionais.

Vale lembrar que nos Estados Unidos, a Uber já adota esse modelo, inclusive em viagens agendadas com o Uber Reserve, que já falamos por aqui.

No Brasil, o Garupa, aplicativo muito popular no sul do país, também possui a opção de favoritar o motorista.

Já nos apps gerados com a tecnologia da Machine, o gestor do aplicativo pode habilitar essa função dentro do seu painel de gestão, na área de configurações para passageiros.

Com a função habilitada, basta o passageiro fazer os seguintes passos.

Favoritar motorista

Com a viagem encerrada, o passageiro é convidado a avaliar o motorista.

Ele pode informar se o achou Muito Bom, Regular ou Ruim.

Mas também é possível clicar na opção “Adicionar à lista de favoritos”. Nesse caso, o motorista também será avaliado como muito bom.

Após enviar a avaliação, o motorista ficará cadastrado na parte de “Meus motoristas” do aplicativo, localizado no menu principal.

Sempre que o passageiro precisar chamá-lo basta encontrar ele por lá.

O passageiro será redirecionado para a tela de solicitação de corridas e ela irá preferencialmente para o motorista favoritado.

Como cadastrar tarifa dinâmica no meu aplicativo?

Os aplicativos de transporte gerados com a tecnologia da Machine permitem que o gestor cadastre uma tarifa dinâmica em determinada área.

Já conversamos algumas vezes por aqui sobre a tarifa dinâmica.

Aliás, temos um conteúdo completo sobre o assunto, explicando como ela funciona e qual é a sua função. Depois dá uma conferida no texto.

De forma resumida, a tarifa dinâmica vai equilibrar oferta e demanda.

Nos momentos de picos de solicitação, ela incentiva que mais motoristas se desloquem ao local.

Na Machine, a tarifa dinâmica é acionada de forma manual e definida geograficamente pelo gestor do app.

Além de definir o local, o gestor configura um fator multiplicador, ou seja, o valor pelo qual o preço final da corrida será multiplicado para dar lugar ao preço dinâmico.

Por exemplo, imaginemos que o gestor de um determinado aplicativo configure um fator multiplicador de 1,5 em uma determinada área da cidade.

Assim, se o preço da corrida costuma ser de R$ 10, durante essa dinâmica ele irá para R$15.

Mas vamos ver na prática como isso funciona na plataforma?

Acessando a plataforma da Machine

Todos os gestores de apps gerados com a tecnologia da Machine, recebem acesso a uma plataforma.

Para cadastrar a tarifa dinâmica no aplicativo, basta ir em configurações e clicar em “Dinâmica por área”.

Cadastrando a tarifa dinâmica

Com a aba de configuração da tarifa dinâmica aberta, o gestor deve ir no mapa e selecionar a região geográfica em que deseja aplicar a nova tarifa

No exemplo, criaremos a primeira dinâmica desse aplicativo, por isso, a lista à direita está vazia. Mas é possível criar quantas dinâmicas o gestor desejar, em várias áreas e com fatores multiplicadores diferentes.

O único “limite” é o valor do fator multiplicador, que será no máximo cinco vezes o preço padrão.

Para começar, basta clicar em “Criar nova área”.

Em seguida, será aberto um polígono padrão, mas ao clicar nele, o gestor consegue moldar de acordo com sua preferência.

Definindo nome e Fator multiplicador

O gestor vai escolher um nome para aquela tarifa dinâmica, além do fator multiplicador que, como falamos anteriormente, será o número pelo qual o preço da corrida será multiplicado para dar lugar ao preço dinâmico.

Veja que também é possível alterar a cor da área definida. Assim, é possível diferenciar cada dinâmica.

Basta apertar em “Criar” e a dinâmica estará ativa e todas as corridas solicitadas neste local estarão em dinâmica.

Para desabilitar, basta clicar no ícone verde na tabela, deixando-o cinza.

Net Promoter Score: como funciona o NPS na Machine?

Vamos adicionar o Net Promoter Score em nossa plataforma, fazendo com que nossos clientes saibam o grau de fidelidade de passageiros, entregadores e motoristas.

Com o grande aumento no número de serviços e negócios totalmente digitais ou geridos digitalmente, é pouco provável que o público escolha uma empresa sem antes pesquisar sobre ela.

Nada escapa do pente fino da internet. É só “dar um Google” no nome de uma marca para vermos dezenas de comentários positivos e negativos.

Logo, em um momento de decisão pela escolha de um produto ou serviço, qualquer cliente que se preze irá optar por aquele que apresenta o menor volume de críticas negativas e a maior quantidade de elogios.

E onde entra o NPS nessa história?

O NPS nada mais é que a ferramenta criada para mensurar o grau de satisfação do usuário com o serviço e seu posicionamento em relação à marca.

O método, criado em 2003 pelo pesquisador de negócios Fred Heichheld, revolucionou a forma de se conhecer o posicionamento do cliente, substituindo as cansativas pesquisas pós-venda, por uma avaliação direta e efetiva.

Segundo Heichheld, todo usuário que deixa um feedback, espera receber uma resposta da empresa, principalmente os detratores.

Por isso, é importante dar atenção aos comentários recebidos, e fazer o possível para entender e resolver os problemas dos usuários, para que no futuro todos sejam promotores da marca.

Como funciona o NPS?

Normalmente o usuário do serviço recebe a seguinte pergunta: Qual a chance de você recomendar este serviço para um amigo? Seguida por uma tabela que vai de 0 a 10, onde o usuário dará sua resposta.

Baseado nessa resposta, os usuários são divididos em três grupos: Detratores, Neutros e Promotores.

  • 0-6 – Detratores
  • 7-8 – Neutros
  • 9-10 – Promotores

Normalmente após o momento do voto, o usuário também têm a oportunidade de justificar sua opinião através de um espaço dedicado a comentários.

O método é extremamente útil, pois permite mapear e analisar quem são os membros de cada grupo, e mais importante, o que os motiva a ter tais opiniões.

NPS nos aplicativos da Machine

Os aplicativos da Machine também contarão com o sistema de avaliação de NPS incluso. Tanto para clientes quanto para motoristas ou entregadores filiados.

Ele funcionará da seguinte maneira.

Perguntaremos para os clientes, qual a chance deles indicarem o app para um amigo.

Em seguida, vamos pedir para que façam um comentário, explicando em até 500 caracteres, o porquê da nota.

Todas as informações coletadas vão para a plataforma do gestor do aplicativo.

Assim, ele consegue entender quantos clientes promotores, neutros ou detratores a empresa tem, além de ler todos os comentários enviados.

O NPS será enviado para todo cliente que tenha finalizado no mínimo 4 solicitações e feito uma avaliação no In app Review, do qual falaremos em seguida.

Isso é feito para que a opinião dada no NPS não seja uma opinião de momento, mas sim embasada em um uso contínuo.

O In app review convida o usuário a avaliar na loja de downloads de apps, sem que ele precise sair do aplicativo.

Ele aparecerá na tela quando o passageiro ou o motorista finalizarem 2 corridas.

Em breve, falaremos mais sobre essa funcionalidade.

Empresas que realizam transporte de pessoas com deficiência

Conheça algumas empresas empresas de mobilidade urbana que atuam no transporte de pessoas com deficiência.

Segundo o censo mais recente do IBGE, cerca de 25% da população brasileira apresenta alguma deficiência física.

Em meio a tantos obstáculos colocados diante dessa parcela da população, um dos maiores e, certamente mais visível, é a falta de acessibilidade a um transporte de qualidade.

A Lei da Acessibilidade de 2004 regulamentava que em um período de 10 anos, todos os transportes públicos deveriam ser perfeitamente acessíveis aos portadores de deficiência.

Hoje mesmo, em 2021, podemos afirmar que essa determinação não foi cumprida.

Porém, a popularização dos aplicativos de transporte se apresenta como solução para uma necessidade social, ao mesmo tempo que passa a ser uma oportunidade de mercado.

Aqui no blog, já trouxemos alguns casos de pessoas que enfrentam diariamente os desafios de não contar com um transporte adequado.

Confira abaixo empresas que realizam esse serviço ao redor do Brasil:

Include+

Já apresentado em outro artigo aqui da página, o Include+ (Includemais) é pioneiro no transporte de PCD.

Atuante em Niterói, trabalha tanto internamente na cidade, quanto em fluxo para cidades próximas. Para contato:

Belatur

Especializada em roteiros de turismo para pessoas com deficiência, a Belatur conta com frotas de vans e ônibus adaptadas para receber aqueles com limitações na locomoção.

Além disso também conta com intérpretes de libras, visando disponibilizar a experiência completa de um roteiro turístico para todos.

Transporte do Cadeirante

Empresa especializada no transporte adaptado para pessoas em cadeira de rodas ou mobilidade reduzida, com atendimento 24h, todos os dias da semana, conforme agendamento.

Essence Cuidados

Empresa especializada no transporte de pessoas com deficiência motora que permite programação do atendimento, escolha de veículos, cuidadores e, quando necessário, técnico de enfermagem.

Especial Coop

Cooperativa especializada no transporte para cadeirantes, englobando pessoas acidentadas em reabilitação, idosos, e portadores de necessidades especiais temporária ou permanente. No mercado desde 2003.

  • Atende a cidade do Rio de Janeiro, porém também realiza viagens intermunicipais e interestaduais.
  • Aplicativo: Especial Coop
  • (21) 3295-9606

Táxi Acessível RJ

Oferecem o serviço de Táxi Acessível para o transporte de passageiros com mobilidade reduzida que utilizam a sua própria cadeira de rodas, como pessoas com deficiência, idosos e obesos.

  • Atende no Rio de Janeiro em bairros como Copacabana, Leblon, Tijuca, Barra da Tijuca.
  • (21) 96430-1301

Mobilidade

Aplicativo que possibilita aos usuários com mobilidade reduzida ou portadores de deficiência acesso aos locais e serviços dos quais necessitem, por meio de um transporte seguro, monitorado por GPS e adaptado as suas necessidades físicas.

Soares Transporte

Empresa que trabalha exclusivamente com PCD. Busca sob agendamento, em seu local de preferência e deixa no melhor ponto de acessibilidade do seu local de destino.

  • Atende São Paulo e Grande São Paulo
  • (11) 96536-2753

BH Cadeirante

  • Região Metropolitana de Belo Horizonte
  • Aplicativo: BH Cadeirante
  • (31) 98271-6886

Acesso Fácil

Atende somente cadeirantes ou pessoas que necessitem de transporte e que estejam usando uma cadeira de rodas.