PicPay: tudo o que você precisa saber

O PicPay é uma carteira digital brasileira para compras online, pagamentos e transferências.

O PicPay já não é nenhuma novidade no mercado brasileiro de Fintechs. 

Fundado em 2012 por Dárcio Stehling, Diogo Roberte e Anderson Chamonm, a carteira digital tem se tornado bastante conhecida à medida que cresce por todo o país.

Somente no período de pandemia, o aplicativo passou de 18 milhões de usuários para mais de 30 milhões.

Na gênesis do projeto, o trio pretendia criar uma ferramenta que facilitasse a vida financeira das pessoas. A ideia era facilitar a transação de dinheiro entre os usuários, o pagamento de dívidas, contas ou até mesmo o cafezinho, por exemplo, e sem precisar se preocupar em pagar em dinheiro físico ou dar troco, facilitando a vida tanto de quem compra, como de quem recebe.

Pelo aplicativo é possível realizar parcelamentos de contas e boletos no cartão de crédito, recarregar os créditos do seu celular, recarregar créditos na Uber e muito mais.

Nos aplicativos gerados com a Machine, os motoristas podem habilitar a função de pagamento pelo PicPay, alertando aqueles passageiros que desejam pagar dessa forma.

Como o PicPay funciona?

Ele está disponível para IOS e Android gratuitamente. 

Para fazer o cadastro, é necessário que o cliente informe nome completo, CPF, data de nascimento, número de celular, e-mail e endereço. 

Para finalizar, são criados usuário e senha.

Após se cadastrar, você pode depositar dinheiro na conta através de Boleto Bancário, Ted e através do PIX. É possível também registrar as informações do seu cartão de crédito pessoal e usá-lo através do aplicativo.

Promoções ao usar o aplicativo

Para tornar ainda mais atrativo, o Picpay oferece com bastante frequência diversas promoções, como o cashback, que dependendo do valor da compra, pode chegar a até 40% do valor total.

Funciona assim: Imagine que você realiza uma compra no valor de R$ 50, e o cashback aplicado nela seria de 40%. Desses R$ 50, R$ 20 voltam para você em forma de crédito na carteira.

É muito comum encontrar promoções de cashback diárias dentro do aplicativo!

Além disso, atualmente, o dinheiro que fica em sua conta do PicPay rende 210% do CDI, que, diga-se de passagem, é muito mais do que a poupança. 

Entretanto, essa é uma promoção de tempo limitado para chamar a atenção de mais pessoas para o aplicativo.

Para baixar o aplicativo em celulares Android, acesse o Google Play:

Já para iOS, acess:

É seguro colocar meu dinheiro no PicPay?

Quando se trata de novidades, é normal se perguntar se existe algum risco da empresa falir e você perder seu suado dinheiro.

Mas para responder a essa pergunta, vou começar por quem “comanda” a empresa.

Em 2019, o PicPay passou a ter 71,04% de suas ações controladas pelo próprio Banco Original e J&F Investimentos, que são grandes potências do mercado financeiro nacional para pessoas físicas e no agronegócio.

A carteira digital é uma das líderes no mercado nacional e já movimenta mais de 1 bilhão de reais todos os meses. Levando isso em consideração, é possível crer que é seguro deixar o seu dinheiro rendendo no aplicativo.

PicPay PRO

É uma modalidade premium da carteira digital, com o principal foco em comerciantes e profissionais autônomos. 

Com ela, é possível receber pagamentos parcelados de forma ilimitada, parcelar contas sem juros e receber integralmente o valor de uma transação assim que esta é concluída, mas com um desconto de 1,99% no valor recebido.

PicPay Card

Da mesma forma que Nubank, Mercado Pago, Banco Inter e muitos outros, o PicPay também oferece um cartão de crédito sem anuidade. 

Você pode solicitar o cartão pelo próprio aplicativo, e após o período de análise de crédito feito pela empresa, você receberá em sua casa um cartão, que promete até 5% de cashback.

E-grocery: o novo sucesso dos supermercados online

E-grocery é a área de compras em supermercados online que permite que o consumidor compre alimentos e bebidas e receba em casa.

A pandemia do coronavírus mudou o mundo para sempre. Mas não apenas em relação à saúde e hábitos de higiene. A forma como lidamos com o consumo também sofreu uma revolução.

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), entre março e maio do ano passado 107 mil lojas virtuais foram abertas. A venda online de alimentos e bebidas cresceu 339% em maio de 2020 — se comparada ao mesmo período no ano anterior. 

Segundo pesquisa nacional realizada pela consultoria Ebit/Nielsen e publicada no portal de notícias G1, houve um aumento de 96% nas vendas de produtos de supermercado pela internet.

Os aumentos foram vistos em diversos tipos de produtos, como itens da cesta básica (165%), frios (106%), hortifrúti (93%), carnes (59%) e padaria (52%).

Esse movimento tem nome: e-grocery. Em inglês “grocery” quer dizer mercearia e quando vem acompanhado do “e” quer dizer que se trata da comercialização virtual.

Quais são os desafios do e-grocery?

Apesar de estar em grande ascensão, o e-grocery ainda tem muitos desafios pela frente. 

O principal deles é em relação aos produtos perecíveis. Esse tipo de alimento dificilmente aguenta longas viagens ou muito tempo de espera antes de sair para entrega. Alimentos como frutas e legumes precisam chegar frescos, por exemplo. E por aí vai.

Outro problema é a disponibilidade dos produtos. Ela, inclusive, está aliada a outro desafio: funcionários especializados. Para trabalhar com esse tipo de serviço é imprescindível ter colaboradores focados em cuidar do estoque e da reposição para que o app esteja sempre atualizado e condizente com a realidade.

Nos últimos anos, ficou cada vez mais comum os próprios caixas dos supermercados empacotarem as compras dos clientes . Os supermercados do Grupo Pão de Açúcar são exemplos disso.

O e-grocery entra na contramão dessa prática fazendo com que os funcionários sejam responsáveis por todo o processo de compra, desde a escolha dos alimentos até o trajeto.

Como tornar o e-grocery mais viável?

As Dark Stores e Dark Kitchens são ótimos caminhos. Ambas funcionam como centros de distribuição, não têm espaços físicos para receber os consumidores e, logo, funcionam apenas como delivery.

Os compradores até podem ir ao local, mas somente para fazer a retirada dos produtos. Esse modelo de comprar online e retirar na loja física é conhecido como click-and-collect ou “clique e colete”, em tradução livre.

A diferença dessas lojas para os centros de distribuição convencionais, por exemplo, são os seus tamanhos e a distância do centro da cidade.

Enquanto os armazéns estão localizados distantes dos centros e, geralmente, possuem uma grande extensão, as Dark Stores são menores, do tamanho de uma loja tradicional, e dentro das cidades.

A Dark Store é uma opção viável para compra de bebidas, alimentos e produtos de limpeza.

Se o desejo do consumidor é o alimento já pronto, aí entram as Dark Kitchens. Para o funcionamento delas, uma cozinha ou um espaço menor é alugado, somente para o preparo do alimento e o envio para clientes que entrarem em contato via WhatsApp, Facebook ou por meio de um aplicativo como iFood e Uber Eats.

Outra solução é uma operação específica para a entrega dos produtos. Ainda segundo o levantamento publicado pela Ebit/Nielsen, houve um aumento de 300% no tempo médio de entrega dos produtos.

A solução mais eficaz, então, pode ser uma parceria com carros particulares para entregas. Para esse tipo de serviço, a Uber tem a categoria Flash que, tal como a Loggi, atende pessoas físicas que desejam transportar pequenos itens de um lugar para outro.

Nos Estados Unidos, o Walmart possui o sistema Spark Delivery, que cadastra motoristas de aplicativo para realizar as entregas de mercado da empresa.

Pedala: entregas sustentáveis para e-commerces

Pedala é a maior empresa focada em entregas sustentáveis para e-commerces do Rio de Janeiro.

A proteção ao meio ambiente tem se tornado uma pauta cada vez mais presente no contexto empresarial. 

Nesse cenário, alguns termos como logística verde e ecodelivery vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado.

Dessa maneira, empresas focadas em soluções e entregas sustentáveis estão aparecendo para fomentar a sustentabilidade em um setor tão conhecido por emissão de gases poluentes.

Entregas com bicicletas, patinetes e outros veículos movidos a energia elétrica são a aposta do momento.

No Brasil, uma empresa do Rio de Janeiro oferece esse tipo de serviço: a Pedala.

O que é a Pedala?

Pedala é uma empresa carioca fundada em 2015 por Alexandre Messina e Vinicius da Justa. Inicialmente, as operações aconteciam apenas nas cidades de Niterói e Rio de Janeiro, mas atualmente as operações já alcançaram, também, o município de São Paulo.

Ela atua otimizando o last mile delivery, isto é, a última milha da entrega, o momento em que o produto sai da loja ou do centro de distribuição até o momento em que ele chega nas mãos dos clientes. A missão da Pedala é tornar esse processo sustentável.

De acordo com a empresa, desde a criação já foram realizadas mais de 300 mil entregas, o que torna a Pedala a maior empresa focada em entregas sustentáveis para e-commerces do Rio de Janeiro.

Atualmente, a startup faz mais de mil entregas diárias. Entre as grandes metas da empresa está a implementação de carros elétricos.

Grandes empresas como Americanas, Submarino e Netshoes estão entre as clientes da Pedala. 

Ao fim de todo mês, esses parceiros recebem um relatório que detalha quanto de gás carbônico eles deixaram de emitir, optando pela entrega sustentável.

Além de realizarem as entregas de bicicleta, um outro diferencial da empresa é que o pedido chega ao consumidor final em até 24h após a compra.

A utilização de bikes torna o processo mais rápido e barato, uma vez que os custos com manutenção e gasolina se tornam desnecessários.

Os entregadores recolhem os produtos diretamente dos centros de distribuição.

  • omni-channel: quando os clientes estão próximos e há estoque disponível, os entregadores recolhem os pedidos direto da loja, não de centros de distribuição;
  • via marketplaces: os entregadores coletam as encomendas de sellers (uma loja virtual onde o consumidor pode comprar produtos de diferentes fabricantes dentro do mesmo site) como Americanas, Submarino e Shoptime e levam até o cliente.

Para entregas fora das cidades de atuação, os produtos são levados até um hub de distribuição e depois direcionados para os Correios.

Venda para a Ame

A startup, que é resultado de um investimento conjunto entre Bossa Nova Investimentos e BMG UpTech, alcançou um capítulo importante da sua história em 2019: alcançou o exit.

O termo é utilizado para empresas que chegam em um patamar onde os sócios/investidores podem sair, ou seja, quando eles vendem seu percentual do negócio

A Pedala foi vendida para a Ame, empresa do grupo B2W, dona das Lojas Americanas, Ponto Frio e Shoptime, para impulsionar o processo logístico da companhia.

Contudo, valores e detalhes do negócio não foram divulgados.

Sobre a venda, o CEO do BMB UpTech, Rodolfo Santos, falou ao portal Startupi: “Alcançar um exit é importante para todos os envolvidos. É uma oportunidade para a startup ganhar escala, se desenvolver ainda mais e atingir novos mercados. Além, claro, do retorno financeiro aos fundadores do negócio e aos investidores que apoiaram o projeto”.

Solicitação rápida: o que é e como funciona?

A solicitação rápida é uma funcionalidade que permite que os estabelecimentos chamem o entregador sem informar o destino final.

Há muitas peculiaridades no mercado de entregas.

Assim, uma plataforma como a Machine, que busca oferecer o melhor sistema de gestão para empresas de motoboys e entregas rápidas, precisa ser flexível para atender as necessidades de cada empresa e cada estabelecimento parceiro.

Há alguns meses, publicamos um post sobre a importância de preencher corretamente os dados da entrega.

Afinal, essas informações são enviadas aos aplicativos dos motoboys e é com elas que os profissionais realizam os serviços.

No entanto, no dia a dia de uma operação de despacho de entregas, todo tempo é precioso.

Por isso, muitos operadores de restaurantes, mercados, farmácias e demais estabelecimentos que são atendidos por empresas de motoboys, preferem solicitar o entregador de forma rápida.

Sem ter que digitar item por item na plataforma.

Dentro da Machine, o responsável por solicitar a entrega precisa digitar endereço completo, tendo também a opção de colocar outras informações, como o nome do cliente, número do pedido, telefone e até alguma outra observação para os entregadores.

Assim, para os estabelecimentos que preferem pular esse processo, foi criada a solicitação rápida da Machine.

Como funciona a solicitação rápida?

Vamos imaginar um restaurante de comida japonesa.

Ele se chama Sushi Rápido e, como o nome indica, além de uma deliciosa refeição, o estabelecimento promete ser a entrega mais rápida da região.

Para isso, eles contratam uma empresa de entregas, a Delivery a Jato que, por acaso, usa a plataforma da Machine.

Então, sempre que um pedido sai, o João, responsável pelos despachos das entregas do Sushi Rápido, solicita o serviço da frota da Delivery a Jato.

Para isso, ele vai entrar na plataforma da empresa e fazer a solicitação.

Mas ao contrário daquele exemplo que a gente colocou lá atrás, o Sushi Rápido tem a opção de solicitação rápida habilitada em sua plataforma.

Com isso, basta um clique para o João chamar o entregador mais próximo.

Captura_de_Tela_2020-07-22_a_s_12.29.03.png
Imagem: Suporte Machine
unknown_png__1094_1410_.png
Imagem: Suporte Machine

No entanto, é importante alertar que com a solicitação rápida, o estabelecimento acaba não tendo acesso a outras funcionalidades importantes.

É o caso da otimização de rotas. Afinal, se o estabelecimento não informa os endereços das entregas, o sistema não consegue traçar o melhor roteiro para a entrega.

Além disso, não é possível ter uma estimativa do preço, já que ele será calculado apenas no final do serviço, através do taxímetro virtual.

Por fim, o responsável pela operação vai precisar passar pessoalmente os dados da entrega para o motoboy, como os endereços, as formas de pagamento e etc.

Assim, é importante colocar tudo isso no papel e o estabelecimento precisa avaliar se a solicitação rápida é ou não mais vantajosa.

Vale lembrar que essa funcionalidade é acordada entre a central de entregas e o estabelecimento, e a qualquer momento ela pode ser habilitada ou desabilitada.

Como habilitar ou desabilitar as solicitações rápidas?

Tudo é feito dentro da plataforma, que é semelhante com a da imagem abaixo.

No primeiro passo, basta o gestor colocar o mouse sobre a aba cadastro e clicar na opção empresas.

Por lá vão estar todos os estabelecimentos cadastrados pela central de entrega, ou seja, os restaurantes, farmácias e demais clientes.

Caso precise cadastrar um novo estabelecimento, o gestor vai clicar em “Criar Empresa”.

Para editar uma empresa já existente, basta clicar no ícone editar, representado pelo desenho de um lápis.

Seja editando uma empresa já cadastrada ou criando uma nova, a plataforma vai mostrar a aba de configurações desse estabelecimento.

Na imagem abaixo, vemos uma página em branco, ou seja, estamos cadastrando um novo estabelecimento.

Para permitir que esse estabelecimento realize uma solicitação rápida, basta clicar “Sim” na opção “Permitir solicitação rápida (sem destino”).

Machine_-_Create_Empresa.png

Em seguida, é só finalizar as configurações, informando uma categoria padrão para as solicitações rápidas.

Esse é o caso da central de entrega que possui diversas categorias em sua frota. Por exemplo, moto, carro de passeio e Fiorino.

Além disso, ela deve informar qual é a forma de pagamento padrão.

mceclip5.png

Finalizando, basta salvar as alterações e esse estabelecimento já pode fazer uma solicitação rápida.

Como funciona a tela de gestão de pedidos na Machine?

Na tela de gestão de pedidos, os estabelecimentos solicitam, acompanham e têm todas as informações sobre o transporte da mercadoria.

As empresas de motoboys e entregas rápidas que contratam a Machine têm acesso a dois aplicativos configurados com suas marcas, tarifas e formas de trabalhar. Um para os próprios entregadores e outro para clientes finais.

Mas além disso, a Machine disponibiliza um painel de gestão.

Com esse painel, elas conseguem liberar acesso a uma plataforma em que os estabelecimentos atendidos pelas empresas podem solicitar o serviço da frota quando precisar.

Chamamos a área principal dessa plataforma de tela de Gestão de Pedidos.

No texto de hoje, vamos mostrar como um estabelecimento que usa a plataforma dos clientes da Machine, consegue solicitar e acompanhar as entregas dos produtos.

O que é a Tela de Gestão de Pedidos da Machine?

A Tela de Gestão de pedidos é a área principal do painel da Machine para os estabelecimentos.

Por lá, os restaurantes, farmácias, padarias e qualquer outro tipo de estabelecimento que nossos clientes atendem, podem solicitar um motoboy quando precisar de entregas.

Dentro dessa tela, o estabelecimento vai ter à disposição diversas funcionalidades que facilitam o dia a dia de uma operação de despacho.

Então como ela funciona?

Primeiro, o cliente da Machine, ou seja, a empresa de motoboy, vai realizar o cadastro do estabelecimento e dar acesso a um responsável.

Para saber mais detalhes dessa etapa, confira o texto como cadastrar os clientes da minha empresa de entregas.

Com o cadastro feito, o operador do estabelecimento vai ter acesso a uma plataforma semelhante a essa.

Para ter acesso a Tela de Gestão de pedidos, basta ele clicar na aba pedidos, ali na parte superior.

E é por aqui que os estabelecimento atendidos pelos nossos clientes gerenciam a operação de entregas.

Vamos fazer uma simulação?

Imagine que essa pizzaria acabou de receber três pedidos para endereços diferentes.

Então, o responsável pelo despacho das entregas vai pegar os endereços e colocar na plataforma.

Para isso, basta ele clicar em Novo Pedido, no botão verde ao lado de Gestão de pedidos.

Agora, ele vai inserir os endereços das entregas na plataforma.

A cada endereço selecionado, o sistema vai inserir o local no mapa, permitindo que o responsável tenha uma estimativa da duração da entrega, distância e tarifa a ser paga pelo serviço.

Vamos destacar agora cada ponto da tela de gestão?

Tempo de despacho

Agilidade é tudo no ramo das entregas, não é mesmo?

Por isso, a Machine sabe que o tempo de despacho precisa ser configurado com a necessidade do estabelecimento.

Assim, a plataforma permite que o operador peça um motoboy de forma imediata ou agende para daqui alguns minutos (até 99 minutos), enquanto a refeição fica pronta.

Também é possível já deixar o despacho agendado para outros dias.

No caso do despacho agendado, ele vai ficar na aba aguardando e vai ser possível acompanhar uma “contagem regressiva”.

Caso a refeição fique pronta antes do esperado, basta clicar na seta ao lado do cronômetro e o despacho será feito.

Juntando pedidos

Há momentos em que o despacho já está programado, mas acaba surgindo um novo pedido para um endereço próximo.

Quando isso acontece, os estabelecimentos atendidos por clientes da Machine conseguem juntas esses pedidos.

Como no exemplo abaixo.

Captura_de_Tela_2020-09-14_a_s_14.54.32.png

Otimização de rotas

Além de juntar os pedidos, os estabelecimento também conseguem otimizar as otimizar automaticamente pelo sistema.

Assim, independente da ordem em que o operador colocou os endereços, a plataforma vai calcular o melhor roteiro para as entregas, dos locais mais perto aos mais afastados do estabelecimento.

Integração com iFood

O sistema da Machine é integrado com o iFood.

Isso significa que o estabelecimentos pode vender pelo aplicativo e entregar com os nossos clientes, que o despacho acontece automaticamente.

Para isso, é necessário realizar algumas configurações. Caso queira saber mais detalhes, confira no vídeo abaixo.

Sempre que um pedido vier do iFood, ele vai aparecer com a logo do app ao lado da solicitação de despacho.

mceclip1.png

Bringg: conheça essa gigante da logística mundial

A Bringg é uma das principais soluções de logística do mundo. Atualmente a empresa entrega em 55 países com uma cobertura de 22 línguas. 

Fundada em 2012, a Bringg Delivery se apresenta como uma ferramenta que amplia e otimiza as experiências e operações logísticas de seus clientes. 

Esse processo é feito através de armazenamento em nuvem, ou seja, fora do computador do cliente, em um espaço virtual.

Essa técnica é bastante utilizada por empresas de segmentos diversos, principalmente, pela segurança e redução de erros.

As operações são feitas de seis escritórios globais. Em sua lista de parceiros estão Nextel, Uber, Coca-Cola, McDonald’s e Walmart.

Como funciona?

A interface da Bringg conecta e automatiza toda a cadeia de produção de seus parceiros para que o modelo de entrega seja inovador, acessível e eficiente.

Uma forte característica é o auxílio na tomada de decisões com base em dados

A empresa oferece relatórios de gerenciamento e de business intelligence (BI), isto é, inteligência empresarial, para que os objetivos dos clientes sejam alcançados sempre de forma mais assertiva.

A Bringg opera em duas frentes: atendimento e entrega. Em uma única plataforma, ela gerencia essas duas etapas para que os clientes atuem com a maior eficiência possível. 

Em relação às remessas, algumas das soluções oferecidas aos clientes são:

  • Same day delivery, ou seja, modalidade de entregas em que o cliente pede à distância, seja pelo computador, telefone ou app, e recebe o produto no mesmo dia;
  • Frotas contratadas e empresas de entrega terceirizadas;
  • Entrega crowdsource: modalidade de entrega feita por pessoas comuns cadastradas na plataforma. (É a mesma forma de atuação da Rappi, por exemplo);
  • Armazéns, lojas e centros de distribuição;
  • Compre e busque e drive-thru;
  • Logística reversa: quando a empresa oferece ao consumidor final a possibilidade de devolver o produto após o consumo para que ele seja descartado de forma correta.

A empresa tem um sistema chamado Fleet Router (roteador da frota, em tradução livre) que calcula custo, distância e necessidades comerciais específicas de cada cliente para que os pedidos sejam despachados dentro da modalidade e frota ideal, visando sempre a velocidade na entrega.

Same Day e Last Mile Delivery

Em recente pesquisa, a empresa concluiu que as entregas no mesmo dia deixarão de ser um diferencial e se tornarão uma oferta normal para os varejistas ainda em 2021. 

De acordo com a empresa, uma em cada três lojas querem implantar o sistema até o final do ano.

Ainda na pesquisa, a Bringg conclui que o grande desafio será não a entrega em si, mas sim como executá-la de forma acessível e eficiente. 

A empresa traz, ainda, uma análise sobre last mile delivery ou última milha da entrega, do momento em que o produto sai da loja ou do centro de distribuição até chegar nas mãos dos clientes.

Ela constata que o erro da maioria das empresas se divide em três pilares: falta de planejamento, gerenciamento das expectativas dos clientes e custos.

A respeito do primeiro ponto, destacam que com entregas sob demanda cada vez mais frequentes, falta tempo para realizar mapeamento. 

Assim, reforçam que esse processo precisa ser feito de forma automatizada para otimizar custo e velocidade.

A mesma lógica se aplica à experiência do cliente e aos custos do processo. 

Com entregas no mesmo dia, o suporte ao consumidor é curto ou inexistente, necessitando, então, de um sistema automático. 

Em relação aos custos, a escolha da melhor rota — levando em consideração menor tempo de trajeto e redução de recursos — precisa ser feita de maneira automatizada e digitalizada para que seja possível alcançar o máximo de eficiência.

Bringg e Uber

Em janeiro de 2021, a empresa anunciou parceria com a Uber através da categoria Direct — modalidade em que os motoristas parceiros realizam entregas. 

Integrando os serviços, os motoristas Uber viraram mais uma opção de frota para entrega dos clientes da Bringg.

Sobre a parceria, o CEO da empresa, Guy Bloch disse: “Como parte da estratégia de entrega, eles [os clientes] agora podem adicionar a Uber como parte de suas operações e confiar neles e em sua grande [escala] para fazer entregas rápidas aos clientes finais”.

E completou: “Nós somos o cérebro que opera a logística da última milha. Por trabalharmos com a Uber, o cérebro agora tem acesso a muito mais frotas”.

Bringg Now

Apesar de todas as soluções oferecidas, a empresa entende que implantar esse tipo de software é um processo complexo e pode não ser vantajoso para empresas pequenas e médias.

Pensando nisso — e também motivada pelo aumento de entregas dessas empresas desse porte, por conta da pandemia de coronavírus —, em 2020 a Bringg Now foi lançada. Ela nada mais é do que uma versão gratuita do serviço oferecido, mas com funcionalidades limitadas.

A Bringg Now permite que os próprios empreendedores carreguem os pedidos no servidor, despachem os produtos com entregadores próprios ou crowdsource e entreguem as mercadorias no mesmo dia ou com data marcada.

Para atender a essa demanda e aumentar ainda mais sua atuação com clientes gigantes, a empresa anunciou um investimento de 30 milhões de dólares (160.991.709,00 reais, na cotação atual).

Tela de ganhos da Machine para motoristas e entregadores

A tela de ganhos permite que motoristas e entregadores dos aplicativos gerados com a Machine acompanhem a evolução diária da sua performance.

Em qualquer trabalho, acompanhar indicadores de performance é uma atividade necessária para analisar e, se necessário, corrigir rotas.

No transporte e nas entregas por aplicativo não é diferente.

Por isso, a Machine recentemente atualizou a plataforma para que motoristas e entregadores que trabalham nos aplicativos gerados com a nossa tecnologia, possam acompanhar o dia-a-dia dos seus ganhos dentro do app.

Para os donos das empresas, é sempre bom lembrar que já contamos com uma dashboard para mostrar dados gerais da atuação do aplicativo.

São os 7 principais indicadores para aplicativos de transporte e entregas:

  • Corridas;
  • Origem das corridas finalizadas;
  • Ganhos gerais;
  • Ticket médio por corrida;
  • Motoristas ativos;
  • Corridas por motoristas;
  • Passageiros cadastrados.

Já para os motoristas, as principais informações dizem respeito aos ganhos, tempo online e consumo de créditos.

Visão Geral

Na visão geral, o motorista ou entregador que trabalha pela plataforma, consegue visualizar as principais informações sobre seu trabalho.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é WhatsApp-Image-2021-01-25-at-17.53.00-146x300.jpeg

A primeira que podemos destacar, é claro, são os ganhos dia-a-dia.

É possível filtrar tanto por semana, atual e anterior, ou por mês, também atual e  anterior.

Dentro do período filtrado, o profissional também visualiza por quantas horas ele trabalhou.

Com esses dados, ele consegue ter um indicativo do valor da sua hora trabalhada, auxiliando tanto no acompanhamento de suas metas, quanto na precificação do serviço, caso ela seja solicitado para realizar uma corrida particular.

Ainda na visão geral da tela de ganhos, é possível ver quantas corridas ele realizou no período, possibilitando calcular o ticket médio, além da média das notas que os clientes deram a ele.

Veja que na parte superior há os dados consolidados dos ganhos no período e dos créditos na plataforma.

Essas duas partes são interativas, ou seja, ao clicar, o profissional será levado para uma outra tela mais detalhada.

Tela de Ganhos do dia

Nessa parte, o motorista ou entregador consegue ver detalhadamente os ganhos no dia.

É possível ver tanto os ganhos recebidos direto no aplicativo via cartão, quanto os ganhos presenciais, ou seja, no dinheiro, cartão na maquininha, pix, picpay e etc, sem falar dos faturados, comuns nas entregas ou corridas corporativas.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é WhatsApp-Image-2021-01-26-at-16.47.14-169x300.jpeg

Meus créditos

Na aba “Meus créditos”, o motorista ou entregador consegue visualizar o consumo dele na plataforma, ou seja, quanto de crédito ele ainda tem para utilizar no aplicativo.

Dessa forma, ele consegue ver detalhes e alertar a empresa caso veja algum erro.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é WhatsApp-Image-2021-01-26-at-16.47.13-169x300.jpeg

Vale lembrar que os aplicativos da Machine conseguem habilitar a função pré-pago, que é quando o profissional, em vez de ser taxado direto a cada serviço, realiza uma recarga prévia e vai sendo descontado a cada viagem ou entrega realizada.

Courri: uma empresa de entregas sustentáveis

A Courri é uma empresa focada em entregas com veículos sustentáveis, principalmente com bicicletas. Em 2019, ela foi adquirida pela B2W.

Nos últimos anos, a pauta da proteção ao meio ambiente vem ganhando força no nosso dia a dia.

No mercado das entregas, não é diferente.

Alguns termos como logística verde ou ecodelivery vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado.

Assim, empresas e soluções focadas em entregas sustentáveis estão aparecendo para repensar o uso veículos que utilizam combustíveis poluentes.

A missão é realizar um serviço que agrida a natureza o mínimo possível, fazendo entregas com bicicletas, e-bikes, patinetes e outros veículos movidos à energia elétrica.

No Brasil, uma empresa que ganhou destaque oferecendo esse tipo de serviço é a Courrieros, ou simplesmente Courri, empresa de logística que utiliza modais sustentáveis para suas entregas.

O que é a Courri?

Fundada em 2012 por André Biselli e Victor Castello Branco, a empresa opera no segmento de entregas, focada em soluções logísticas e last mile delivery.

De acordo com o site da própria empresa, todas as entregas são rastreadas e feitas por ciclistas profissionais treinados ou entregadores que utilizam veículos não poluentes.

Atualmente a empresa opera apenas em alguns bairros de São Paulo, mas pretende expandir os serviços para todo o país. 

Em 2018, a Courri fez história. Em parceria com a Zattini, empresa do segmento de moda, realizaram a entrega mais rápida da Black Friday daquele ano: 1h7m após a compra.

No ano seguinte, a empresa foi adquirida pelo grupo B2W, dona das Lojas Americanas, Ponto Frio e Shoptime.

Diferente da maioria das empresas do segmento, para ser um parceiro da Courri não basta apenas se cadastrar no site, adicionar informações e aguardar aprovação. 

Os interessados devem agendar uma entrevista.

O contato com a empresa pode ser feito pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (11) 3368-3367.

Como funciona?

As empresas que desejarem ter a Courri como intermediária também devem entrar em contato por email para orçamentos.

Em sua cartela de clientes estão grandes empresas como Amaro, Netshoes, Reserva e Nespresso.

Após fecharem negócio, a contratante pode escolher opções de prazos que são disponibilizados em seu site para que o cliente possa escolher. 

Depois, a Courri coleta no estoque da contratante o produto e entrega de bicicleta para o consumidor final.

A empresa trabalha com limitação de peso, volume e localidades atendidas.

O trajeto pode ser acompanhado uma vez que o software de rastreamento da Courri passa a ser integrado com o da empresa contratante.

Por fim, a contratante pode informar ao consumidor quanto de gás carbônico aquela entrega deixou de emitir por ter sido feita de forma sustentável.

Picap: logística e transporte sobre duas rodas

O Picap é um aplicativo colombiano que nasceu para ser o Uber das motos mas, atualmente, está se transformando em um grande hub de logística.

Apesar de ser muitas vezes questionado e até mesmo proibido, como é o caso na cidade de São Paulo, o mototáxi exerce um serviço essencial em muitos locais do país.

A realidade é que as motos chegam em muitos lugares que as grandes empresas e até mesmo o poder público não chega.

Em 2018, o G1, portal de notícias da Globo, publicou uma reportagem sobre o aplicativo Moto Já Ariquemes.

Para termos uma noção, na época, a cidade de mais de 107 mil habitantes no interior de Rondônia, não possuía transporte por aplicativo e nem mesmo ônibus.

Assim, o serviço dos mototaxistas era uma das únicas possibilidades que os cidadãos dos municípios tinham para se locomover.

Na Machine. trabalhamos com diversas empresas de mototáxi que relatam casos bem parecidos.

Muitas dessas centrais, cooperativas ou sindicatos aderiram aos aplicativos quando a concorrência com a Uber chegou, oferecendo preços mais competitivos do que os já oferecidos no próprio serviço de mototáxi.

E, nessa área, uma empresa que vem ganhando bastante relevância é a Picap.

O aplicativo nasceu na Colômbia e chegou ao Brasil em meados de 2019, oferecendo corridas até 30% mais baratas e 50% mais rápidas do que as dos apps de carro particular.

Atualmente, a Picap se denomina como uma solução logística.

Afinal, como vamos ver, a empresa possui outros produtos que vão além do aplicativo de transporte.

Como funciona o aplicativo?

Se você acessar hoje o site da Picap, não vai encontrar nem sinal daquele serviço de transporte que chegou ao Brasil.

Nos últimos meses, a empresa tem se voltado ao ramo da logística, oferecendo serviços de entregas, roteirização e até armazenamento.

O aplicativo está disponível no Google Play, App Store e no Huawei AppGallery.

Ele é semelhante aos demais apps de transporte, ou seja, o passageiro insere partida e destino (não é possível adicionar paradas), escolhe a forma de pagamento — dinheiro, cartão no app e Picash (sistema pré-pago da empresa) — e, por fim, a modalidade, transporte ou entregas.

Para os mototaxistas e entregadores que desejam trabalhar pela plataforma, o cadastro também é feito no app.

Eles vão solicitar informações pessoais e pedir a documentação do veículo.

É possível trabalhar com moto, carro, bicicleta e até a pé.

Cidades no Brasil

Atualmente, o aplicativo roda em diversos países da América Latina, como Brasil, México, Peru, Argentina e Colômbia.

Especificamente no Brasil, a Picap está disponível em:

  • Belo Horizonte
  • Belém
  • Brasília
  • Curitiba
  • Goiânia
  • Manaus
  • Recife
  • Rio de Janeiro
  • Salvador
  • São Paulo
  • Sobral
  • São Luís

Produtos e serviços

Como já comentamos, atualmente a empresa está voltando sua atuação para soluções logísticas.

E por isso, incrementou outros produtos em seu negócio.

Pibox express

O Pibox express é o serviço de entregas 24/7 da Picap.

Segundo a empresa, essa solução permite que os estabelecimentos rastreiem suas encomendas em tempo real, realizem a cobrança ao cliente final e possam usufruir da frota de entregadores do aplicativo.

Já comentamos sobre esse serviço anteriormente aqui no blog.

Afinal, a Pibox é uma das 37 empresas catalogadas pelo Mercado Livre que realizam entregas para o Mercado Envios Flex em São Paulo.

Pibox enterprise

O Pibox enterprise é o software de automatização logística da empresa.

Segundo o site, a ferramenta permite enviar ordens e rotas para os entregadores, monitorar o trajeto em tempo real e armazenar fotos para comprovar que a entrega foi realizada.

Além disso, o software otimiza rotas e cubagem para minimizar o número de veículos.

Outra funcionalidade é o link de tracking em tempo real para o acompanhamento da entrega e o monitoramento do serviço por meio de avaliações feitas pelo cliente final.

Picarga

O Picarga é o serviço de entregas maiores da empresa.

Com ele, o cliente consegue solicitar um veículo que aguente uma carga maior de mercadorias.

Pibox storage

O Pibox storage é o serviço de armazenamento da Picap.

A empresa explica que o objetivo é atender às necessidades de cross-docking e armazenamento dos e-commerces.

No escopo do serviço estão:

  • Apoio operacional
  • Controle de inventário
  • Ferramenta para facilitar carga e transporte de mercadorias
  • Segurança privada
  • Sistema de alarme
  • Vigilância e monitoramento por vídeo

Picap Rent

Atualmente, o tradicional serviço de transporte da Picap está englobado no Picap Rent.

Além da modalidade de solicitar um transporte com motorista ou mototaxista, a empresa também está realizando aluguéis de veículos para pessoas físicas e empresas.

Os interessados em alugar um veículo com a Picap, devem entrar em contato via chat do aplicativo ou através do e-mail [email protected] e do whatsapp 310 786 99 56.

Para pessoas físicas que desejam alugar uma motocicleta, são solicitados os seguintes itens:

  • Carteira de identidade ou passaporte
  • CNH válida
  • Referências pessoais
  • Comprovante de residência
  • Depósito caução para eventuais danos

Já para as empresas, é necessário:

  • Cartão CNPJ
  • Identidade do responsável legal
  • Cartão de crédito com limite disponível
  • CNH