Início » Carros de aplicativo podem fazer delivery?

Carros de aplicativo podem fazer delivery?

Carros de aplicativo podem fazer delivery?

Em períodos de baixa solicitação de corridas, muitos motoristas se perguntam se carros de aplicativo podem fazer delivery.

Atualmente, muito se discute a respeito de negócios que sejam não só viáveis, mas também altamente rentáveis, para os empreendedores brasileiros.

Crises econômicas surgem com rapidez mas, no geral, não se vão com a mesma velocidade. Nesse cenário, quem empreende se vê diante de muitas questões: dúvidas, dificuldades e preocupações sobre a vida útil do seu próprio negócio.

Nos últimos anos, trabalhar com aplicativos como os de transporte, por exemplo, se tornou uma possibilidade de sustento para inúmeras famílias brasileiras. 

Por se tratar de um esquema de trabalho diferente do padrão, no qual os motoristas se organizam e decidem o próprio horário de trabalho, muitos puderam se manter e reerguer financeiramente, após as últimas crises na economia brasileira.

Por isso, trabalhar com os aplicativos de mobilidade urbana foi uma das opções viáveis e rentáveis para quem precisava de um dinheiro extra, assim como para quem perdeu o emprego em meio à crise.

Além da possibilidade de ser motorista de um desses aplicativos, também é possível iniciar um negócio no ramo, sendo proprietário de um aplicativo de transporte regional.

Por ser um negócio de nicho, reduzido em relação aos apps globais (como Uber e afins), estes podem ser afetados com certa facilidade em cenários de crise.

Mas o que você, gestor de um app de transporte, pode fazer nessa situação? Quais são as alternativas para o empreendedor remediar o problema e, posteriormente, se reerguer?

Cenário de crise e uma solução

Um problema de saúde pública atual é o responsável pela instabilidade na sociedade, como um todo, e na economia: o COVID-19, popularmente conhecido como o novo Coronavírus.

A doença, apesar de ter seus grupos de maior risco, afeta o funcionamento da sociedade de forma geral, pois é de alto e fácil contágio, sendo necessária a reclusão da população, logo, a quarentena por tempo indeterminado.

Diante disso, em meio ao problema, os motoristas, taxistas, mototaxistas e empreendedores do ramo de transporte têm uma “nova” alternativa nesse momento: o delivery. Então, sim, carros também podem fazer delivery.

Aliás, já respondemos um questionamento muito parecido em dos nossos textos com mais acessos nos últimos dias: motorista Uber pode fazer Uber Eats?

De forma objetiva, ao invés de transportar a quantidade habitual de passageiros (que, em sua maioria, estão de quarentena em suas casas), os que trabalham na área de mobilidade farão, também, o serviço de delivery.

Em uma época que as pessoas estão reclusas, e as ruas, mais vazias e sem oferta de corridas o bastante para suprir as necessidades financeiras desse grupo, o delivery se torna uma opção viável e, constantemente, rentável para quem precisa continuar a trabalhar e obter receita.

O delivery e a entrega por carros de aplicativo

Se, anteriormente, apenas os mototaxistas eram associados ao serviço de delivery, agora, os motoristas de carros particulares também podem, e devem, desenvolver esse tipo de serviço.

Com mais pessoas dentro de casa, serviços como alimentação e farmácias, que são essenciais, são ainda mais requeridos na forma de delivery.

As empresas de transporte de passageiros e os motoristas que quiserem “embarcar” nessa alternativa, devem se preparar para realizar esse tipo de entrega.

Todos sabem o quanto é difícil lidar com situações adversas nos negócios, e ter que se adaptar em meio aos problemas. Contudo, agir rápido e se adaptar, nesses casos, é essencial para que você possa prosseguir sem grandes perdas a longo prazo.

Pesquise sobre o delivery e faça uma experiência para talvez, posteriormente, mantê-lo como opção junto ao transporte de passageiros.


A Machine é a principal tecnologia para criação de aplicativos de transporte e entregas do Brasil. Juntos, os apps desenvolvidos com nossa tecnologia já tiveram mais de 130 milhões de solicitações.