Ilustração de quatro prédios em cima de telas de celulares, ao lado está escrito "Aplicativo de mobilidade urbana: o que é, quais são e como criar?"

Aplicativo de mobilidade urbana: o que é, quais são e como criar?

Aplicativos de mobilidade urbana são popularmente conhecidos como apps especializados no deslocamento de pessoas de um ponto ao outro da cidade.

Os aplicativos de mobilidade urbana estão cada vez mais presentes na vida dos brasileiros.

Com o desenvolvimento, principalmente das regiões metropolitanas, o deslocamento virou uma dor de cabeça para milhões de pessoas no Brasil.

Nesse cenário, os aplicativos apareceram para facilitar o trajeto de um ponto A para um ponto B, oferecendo mais conforto, rapidez e, dessa forma, um melhor custo-benefício.

Outra questão importante nesse contexto é a segurança – ou falta dela.

Segundo pesquisa da IDC, encomendada pelo PayPal, 75% dos brasileiros usam apps de mobilidade urbana por se sentirem mais seguros.

O que é um aplicativo de mobilidade urbana?

São popularmente conhecidos como aplicativos especializados no deslocamento de pessoas de um ponto ao outro da cidade.

Segundo a lei nº 12.587, que institui as diretrizes da Política Nacional do setor no Brasil, a mobilidade urbana é definida como a condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano.

Por isso, apesar de ser comum considerar aplicativos de transporte a mesma coisa que app de mobilidade urbana, o primeiro é uma espécie de categoria do segundo.

Afinal, aplicativos como Moovit também são apps de mobilidade urbana, mas não realizam deslocamento de passageiros.

A Lei nº 13.640, que regulamentou o transporte por aplicativo no país, nomeou o tipo de atividade exercida pela Uber, 99 e tantos outros apps que conhecemos como:

Transporte remunerado privado individual de passageiros: serviço remunerado de transporte de passageiros, não aberto ao público, para a realização de viagens individualizadas ou compartilhadas solicitadas exclusivamente por usuários previamente cadastrados em aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede.

Quais são os aplicativos de mobilidade urbana mais utilizados?

Se focarmos apenas nos aplicativos de transporte individual de passageiros, a Uber é disparada o app de mobilidade urbana mais utilizado no Brasil.

De acordo com pesquisada realiza pelo Ibope Inteligência, ela é a preferida de 54% dos brasileiros. 

O dado não é tão surpreendente, visto que o Brasil é o segundo maior mercado da empresa no mundo.

Já são mais de 600 mil motoristas cadastrados e mais de 22 milhões de corridas realizadas.

Em segundo lugar está a 99, com 12%. A empresa recentemente anunciou uma parceria com o WhatsApp e seus clientes poderão pedir corridas diretamente pelo app de mensagens.

Em terceiro e quarto lugar, respectivamente, aparecem Easy Táxi e Cabify com 5% e 4% de preferência. Após a realização da pesquisa, a empresa de táxi foi descontinuada e integrada à Cabify. A fusão permitiu que a empresa espanhola expandisse suas operações de oito para 39 cidades brasileiras.

Além dos aplicativos mais famosos, existem diversos outros espalhados pelo país, principalmente fora da área de atuação das multinacionais.

Atualmente, o Brasil conta com mais de 550 aplicativos de mobilidade urbana regional.

Como criar um aplicativo de mobilidade urbana?

Criar um aplicativo de mobilidade urbana do zero é um processo trabalhoso e caro.

Tirando outros custos adicionais e a manutenção, criar um app com um desenvolvedor custa de 200 mil a um milhão de reais. 

O site Quanto Custa um Aplicativo também oferece um questionário onde você pode colocar suas necessidades e receber um valor médio inicial para criação do seu app.

De acordo com o site, o projeto inicial de um aplicativo simples custa cerca de R$76 mil reais.

A segunda opção é investindo em um aplicativo white label. Através dessa categoria, os empreendedores podem alugar a licença de uso para configurar com sua marca, preços e forma de trabalho.

A parte da tecnologia, dos custos com mapas, servidores, atualização e manutenção do aplicativo fica com a empresa responsável por “alugar” o aplicativo de mobilidade urbana.

Apesar de não poder mudar totalmente a identidade visual do aplicativo ou alterar funcionalidades por conta própria, o empreendedor que aluga a plataforma fica responsável por definir a forma de operação do app, como o despacho, os preços, a logo e diversas outras funcionalidades que a empresa desenvolvedora liberar. 

Uma outra vantagem é oferecimento de suporte técnico. Assim, após desenvolver o aplicativo, a empresa mantém contato com os gestores e cuida das atualizações do sistema.